Nota de zero euros (sim, leu bem) faz furor na Alemanha

Não têm valor comercial e podem ser adquiridas por 2,50 euros no estado alemão de Schleswig-Holstein. Venha conhecer a nota que está a fazer furor na Alemanha.

O Banco Central Europeu autorizou esta semana a emissão de notas de zero euros para coleccionistas e turistas do estado alemão de Schleswig-Holstein, por proposta do grémio turístico de Kiel, a capital do estado.

As notas podem ser adquiridas por um valor de 2,50 euros e têm as características da divisa corrente, já que foram impressas em papel moeda e apresentam todas as medidas de segurança das notas de euro que todos usamos, como os relevos ou as marcas de água.

Quanto ao design, num dos lados surge um dos símbolos mais representativos de Kiel, o navio alemão Gorch Fock II, que se encontra na cidade, enquanto que na outra face, foram combinadas imagens dos monumentos mais representativos da União Europeia, como a Sagrada Família de Barcelona, o Coliseu de Roma ou a Torre Eiffel de Paris.

A iniciativa teve tanto êxito que as 5 mil notas emitidas na primeira remessa esgotaram em apenas 24 horas. No entanto, os responsáveis pela iniciativa já anunciaram uma segunda edição que será colocada à venda dentro de cinco semanas.

Recomendadas

Regionais em Espanha: PSOE ganha mas precisa de fazer acordos para governar

As sondagens publicadas, principalmente a elaborada pelo Centro de Investigações Sociológicas (CIS), um organismo público que realiza este tipo de análises, indica que os socialistas espanhóis irão ser os mais votados em 10 das 12 Comunidades Autónomas que vão a votos.

Lançada a primeira rota internacional do vinho na Península Ibérica

O Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (AECT) Duero-Douro é um projeto à escala europeia com a finalidade de promover o território transfronteiriço.

Porcos podem complicar negociações comerciais entre EUA e China

A queda da importação de soja dos Estados Unidos para alimentar os porcos na China pode dificultar as negociações comerciais entre os dois países, segundo um estudo do HSBC Global Research, noticia a Sky News.
Comentários