Nota de zero euros (sim, leu bem) faz furor na Alemanha

Não têm valor comercial e podem ser adquiridas por 2,50 euros no estado alemão de Schleswig-Holstein. Venha conhecer a nota que está a fazer furor na Alemanha.

O Banco Central Europeu autorizou esta semana a emissão de notas de zero euros para coleccionistas e turistas do estado alemão de Schleswig-Holstein, por proposta do grémio turístico de Kiel, a capital do estado.

As notas podem ser adquiridas por um valor de 2,50 euros e têm as características da divisa corrente, já que foram impressas em papel moeda e apresentam todas as medidas de segurança das notas de euro que todos usamos, como os relevos ou as marcas de água.

Quanto ao design, num dos lados surge um dos símbolos mais representativos de Kiel, o navio alemão Gorch Fock II, que se encontra na cidade, enquanto que na outra face, foram combinadas imagens dos monumentos mais representativos da União Europeia, como a Sagrada Família de Barcelona, o Coliseu de Roma ou a Torre Eiffel de Paris.

A iniciativa teve tanto êxito que as 5 mil notas emitidas na primeira remessa esgotaram em apenas 24 horas. No entanto, os responsáveis pela iniciativa já anunciaram uma segunda edição que será colocada à venda dentro de cinco semanas.

Recomendadas

Fundos ESG ainda têm muito espaço para crescer em Portugal

No ano passado, a maioria das subscrições de fundos ESG foram feitas por pessoas singulares (99,2%), segundo os dados da CMVM, que mostram que as subscrições líquidas se revelaram nos quatro últimos anos, apesar de 2020 ter apresentado uma diminuição de 75% face a 2019.

Eletricidade. Desde 2009 que o valor da dívida tarifária não era tão baixo

A dívida vai afundar mil milhões em 2022, a maior descida registada desde 2008.

“Apoios de nove milhões foram cruciais para minimizar prejuízos”, revela presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto

“Esses apoios foram cruciais para, de alguma forma, minimizar aquilo que poderiam ser os prejuízos dos agricultores na venda das suas uvas”, revela Gilberto Igrejas. “Foram nove milhões de euros, na Região Demarcada do Douro, muito importantes para que o tecido produtivo não tivesse quebras superiores”, assegura o presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), na edição do podcast “Conversas com Norte” que irá para o ar na próxima segunda-feira.
Comentários