Notas de 500 euros vão sair de circulação e é já no fim deste mês

O Banco de Portugal confirmou ao Jornal Económico que deixará de emitir notas de 500 euros no final do mês. Na Alemanha e Áustria o limite é 27 de abril.

Angel Navarrete/Bloomberg

A maioria dos bancos centrais da zona euro, incluindo o português, vai reter as notas de 500 euros que cheguem à sua posse já a partir do próximo dia 27 de janeiro, no âmbito da decisão do conselho de governadores do Banco Central Europeu (BCE) tomada a 4 de maio de 2016.

“A partir de 27 de janeiro, os bancos centrais nacionais da área do Euro, incluindo o Banco de Portugal, deixarão de emitir notas de 500 euros – com a exceção dos bancos centrais da Alemanha e Áustria, países onde esta denominação é mais frequentemente utilizada e cuja data de final de emissão será 27 de abril”, explicou fonte do Banco de Portugal (BdP) ao Jornal Económico.

Em meados de fevereiro de 2016, o presidente do BCE confirmou que estava a considerar retirar de circulação as notas de 500 euros, dias depois de os governos dos 28 Estados da União Europeia instarem a Comissão Europeia a discutir essa hipótese com o supervisor bancário.

“As notas de 500 euros são vistas cada vez mais como um instrumento de atividades ilegais, e é nesse contexto que estamos a considerar ações”, disse, na altura, Mario Draghi, perante o Comité de Assuntos Económicos do Parlamento Europeu, reunido em Bruxelas.

Cerca de três meses depois, o Conselho do Banco Central Europeu optou oficialmente por parar a produção de notas de 500 euros, atendendo aos receios de que estas notas possam ser utilizadas para facilitar atividades ilícitas. Ainda assim, o BdP assegurou que não era necessário trocar quaisquer notas e que os cidadãos poderiam continuara a utilizar as notas de 500 euros sem restrições, incluindo para fazerem pagamentos.

“As notas de 500 euros existentes mantêm o curso legal e, por conseguinte, é possível continuar a utilizá-las como meio de pagamento e reserva de valor. De igual modo, as instituições de crédito, as agências de câmbio e outras entidades comerciais podem continuar a recircular as notas de 500 euros existentes”, explica, por sua, vez o BCE.

Ler mais

Relacionadas

Cidadãos ainda têm mais de 96 milhões de euros em notas de escudo

Mais de 96 milhões de euros em notas de escudo estão ainda nas mãos dos cidadãos, portugueses ou não, o equivalente a 11,5 milhões de notas, segundo valores indicados à Lusa pelo Banco de Portugal.

As notas de euro: fique a saber de onde vêm

Em Portugal, é uma empresa detida pelo Banco de Portugal que imprime as notas e é uma de onze empresas europeias de alta segurança com esta responsabilidade. Mas, em território nacional, apenas se têm impresso notas de 5, 10, 20 e 50 euros.

Sabe como reconhecer uma nota falsa? Deco explica

Quem receber uma nota falsa não pode trocá-la por outra nem recuperar o valor em questão. Veja aqui as dicas da Deco para distinguir as verdadeiras das falsas através da visão e do tacto.
Recomendadas

Tribunal de Contas dá luz verde às contas da Presidência da República, deixa dois elogios e faz três recomendações

TdC elogia o empenho do Palácio de Belém na “prestação atempada das contas relativas ao ano económico de 2019, não obstante as exigências decorrentes da situação pandémica Covid-19”, mas deixa três recomendações para este ano.

Despesa corrente em saúde aumentou em 2018 e 2019, diz o INE

De acordo com os resultados da Conta Satélite da Saúde do INE, na base 2016, o crescimento nominal da despesa corrente em saúde nesses anos foi superior ao do PIB mais 1,3 pontos percentuais (p.p.).

CP “empurra” para despedimento 120 trabalhadores dos bares dos comboios, acusa federação dos sindicatos

A Federação dos Sindicatos da Agricultura. Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo (FESAHT) alerta que os 120 trabalhadores dos bares dos comboios da CP estão em risco de “serem vítimas de um despedimento colectivo”. Tudo porque, diz FESAHT, a empresa mantém a recusa da reabertura do serviço de refeições dos bares dos comboios Alfa Pendular e Intercidades.
Comentários