Notáveis do PSD assinam petição para dar força à liderança de Rui Rio

A petição “queremos Rui Rio como líder do PPD/PSD” defende que “não há hoje alguém com mais legitimidade do que Rui Rio” para ser líder do PSD e foi assinada por vários notáveis do partido. Ao todo, a petição conta já com mais de 1.500 assinantes.

Apesar de haver sociais-democratas que defendem que é preciso “novos protagonistas” no Partido Social Democrata (PSD), há também quem tente convencer o atual líder, Rui Rio, a recandidatar-se às diretas. A petição “queremos Rui Rio como líder do PPD/PSD” defende que “não há hoje alguém com mais legitimidade do que Rui Rio” para ser líder do PSD e já foi assinada por vários notáveis do partido.

“Rui Rio é um político diferente, além dos atributos de integridade e honestidade, tem uma predisposição para servir Portugal. Não há hoje alguém com mais legitimidade do que Rui Rio para liderar o PSD”, lê-se na petição pública, que foi posta a circular online.

A petição conta já com mais de 1.500 assinantes, entre os quais o vice-presidente do partido David Justino, o líder parlamentar Fernando Negrão, o ex-militante e antigo vice-presidente António Capucho e o ex-presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia Luís Filipe Menezes, avançou o Jornal de ‘Notícias’ na quinta-feira.

O texto da petição diz ainda que existem “imensas razões para Rui Rio manter se como líder do PSD”. “Nas últimas eleições europeias, que foram há 5 meses, o PSD teve uma recuperação de 6% com Rui Rio a liderar relativamente aos resultados anteriores. Com relação à concorrência o PSD está com um grave problema de quadros com dimensão nacional e atualmente não há nenhuma outra figura que valha mais no país que Rui Rio”, lê-se no documento.

Os assinantes da petição subscrevem ainda que “o PSD não pode continuar a ter uma bancada desfasada” do líder partidário “nem continuar a ter um líder partidário que não seja deputado”. “Um novo líder do PSD iria estar insatisfeito com os deputados escolhidos por Rui Rio e isso permitiria a que António Costa continue seu hemiciclo a esfregar as mãos de contente”, explicam.

“A realidade é que o PSD aguentou se, de facto, nas últimas legislativas, não obstante de todos obstáculos e situações prejudiciais sucedidas e aguentou se contra tudo e contra todas as expectativas. E esse mérito deve-se a Rui Rio”, sublinham os subscritores do documento.

O ex-líder parlamentar do PSD Luís Montenegro já anunciou que é candidato às diretas do PSD e lançou o desafio a Rui Rio para ir a votos, por uma questão de “clarificação acerca do seu posicionamento político e do seu projeto de intervenção cívica e social no país”. “Rui Rio tem obrigação de assumir as suas responsabilidades pelo resultado a que conduziu o PSD”, sublinhou, em entrevista à SIC.

Miguel Pinto Luz, vice-presidente da Câmara Municipal de Cascais, e Miguel Morgado, antigo assessor de Pedro Passos Coelho, ao que o JE apurou, estão também a preparar-se para avançar na corrida à sucessão de Rui Rio. Ambos estão a medir apoios internos e devem formalizar candidaturas nos próximos dias.

Nas legislativas deste domingo, o PSD teve 27,90% dos votos, a percentagem mais baixa dos últimos 20 anos, e não conseguiu eleger nenhum deputado pelos três círculos eleitorais do Alentejo. Para a bancada parlamentar do PSD estão eleitos 77 deputados, mas esta pode ainda aumentar, tendo em conta que ainda faltam apurar os votos pelos dois círculos de emigração (Europa e Fora da Europa).

Ler mais
Recomendadas

Greta Thunberg vai ao parlamento português entre final do mês e início de dezembro

Há uma semana, os deputados da comissão parlamentar de Ambiente aprovaram, por unanimidade, a proposta para a vinda da ativista sueca a Portugal.

CDS quer Ordem da Liberdade para quem participou no 25 de Novembro de 1975

O deputado centrista Telmo Correia propôs que o Governo “faça um levantamento das personalidades envolvidas no 25 de Novembro e que não tenham recebido a Ordem da Liberdade”, para que essa distinção lhes seja atribuída, sejam militares ou civis, “em vida ou até a título póstumo”.

Comissão de Transparência. PAN apresenta proposta contra limites ao escrutínio público

Em causa está a decisão do presidente da comissão, Jorge Lacão, de fazer reuniões à porta fechada e sem acesso à comunicação social, alegando que há elementos que vão estar em discussão que não devem ser do conhecimento público.
Comentários