Nova administração do BCP vai ter 17 elementos

A composição do novo Conselho de Administração do banco ainda não está fechada. O processo está a ser discutido com o Banco Central Europeu.

Millennium Bcp

O BCP deverá fechar a lista de administrador com um número muito inferior ao atual. Segundo soube o Jornal Económico, o banco  terá no total 17 administradores face aos atuais 19. Esse é o número que está a ser discutido em Frankfurt, sede do BCE, que é quem tem o poder de autorizar a nova administração.

Recorde-se que o BCE recomenda administrações mais pequenas, mais especializadas e com mais independentes. Na CGD a recomendação era que ficasse nos 15 administradores, mas o banco liderado por Nuno Amado tem uma estrutura acionista diversificada e precisa de mais lugares na administração para o equilíbrio de forças. Há pelo menos três acionistas com representantes: a Fosun (com mais de 25%); a Sonangol, que já terá perto de 20%, e a EDP com 2,11%, que apesar de ser um acionista histórico tem uma posição inferior à  Blackrock.

Artigo publicado na edição semanal do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Filial espanhola da CGD atrai interesse de 15 entidades. BCP e Lone Star estão na corrida

De acordo com as fontes financeiras, pelo menos o BCP, a Lone Star (dona do Novo Banco), o Abanca, o EVO Banco/Apollo, o Liberbank, a Kutxabank e a Unicaja já levantaram o memorando de informação.
Recomendadas

BPI suspende dividendos de 13 milhões até outubro

“Perante as circunstâncias atuais o Banco BPI e o CaixaBank decidiram suspender o pagamento do referido dividendo, o qual apenas terá lugar em outubro de 2021”, lê-se no comunicado.

PremiumBanco de Portugal admite não recorrer da decisão judicial no Banco Montepio

A sentença do recurso que o Banco Montepio e sete ex-administradores interpuseram às coimas aplicadas em 2019 pelo Banco de Portugal, agradou a gregos e a troianos, ao supervisor e arguidos.

Presidente do BPI diz que é preciso “encontrar soluções para moratórias agora, não em setembro”

O presidente do BPI diz encarar com “estranheza” o interesse do Novo Banco no Eurobic e defende que “não devíamos falar em setembro, mas sim agora” sobre o tema das moratórias.
Comentários