Nova companhia aérea de Neeleman deverá iniciar voos em 2021

A Breeze Airways, fundada por David Neeleman, cuja saída da TAP foi anunciada recentemente, deverá iniciar os voos em 2021, um lançamento que foi adiado pela pandemia de Covid-19, avançou hoje a Bloomberg.

Rafael Marchante/Reuters

De acordo com a agência, a companhia aérea de baixo custo, com base nos Estados Unidos, está a tentar comprar o certificado operacional da Compass Airlines, que já foi extinta, agilizando o início das operações com voos fretados para outubro.No entanto, a companhia prevê que os voos agendados só tenham início em 2021.

Devido à pandemia de Covid-19, a entrega das aeronaves Airbus A220-300, que será o principal modelo da companhia, foram adiadas por seis meses, devendo chegar em meados de agosto de 2021.

Em 03 de julho, a companhia aérea brasileira Azul, de David Neeleman, anunciou a venda de 6% da TAP, no âmbito do acordo entre o Estado e os acionistas privados, que “garante a continuação” da empresa, segundo um comunicado.

Assim, a Azul “anuncia ter alcançado um acordo com o Governo português para permitir uma injeção de capital vital na TAP SGPS. O acordo consiste na venda da participação indireta da Azul na TAP de 6%, por aproximadamente 65 milhões de reais [10,8 milhões de euros]”, bem como na “eliminação do direito de conversão” das obrigações seniores detidas “pela companhia de 90 milhões de euros com vencimento em 2026”, indicou a Azul, na mesma nota.

No dia anterior, o Governo tinha avançado que tinha chegado a um acordo com os acionistas privados da TAP, passando a deter 72,5% do capital da companhia aérea, por 55 milhões de euros.

Com este acordo, o Estado aumenta a participação na TAP dos atuais 50% para 72,5%.

Em conferência de imprensa, na altura, o secretário de Estado do Tesouro, Miguel Cruz, precisou que o Estado pagará o montante de 55 milhões de euros, que se destina à renúncia por parte da Atlantic Gateway, consórcio formado por David Neeleman e Humberto Pedrosa, ao “exercício das opções de saída do acordo parassocial”.

O dono da companhia aérea Azul, David Neeleman, sai assim da estrutura acionista da TAP, mantendo-se apenas Humberto Pedrosa, dono do grupo Barraqueiro.

A Comissão Europeia aprovou em 10 de junho um “auxílio de emergência português” à TAP, um apoio estatal de até 1.200 milhões de euros para responder às “necessidades imediatas de liquidez” com condições predeterminadas para o seu reembolso.

Ler mais
Relacionadas

PremiumDavid Pedrosa na calha para suceder a Antonaldo Neves à frente da TAP

Filho do acionista privado da TAP é um dos nomes apontados para a liderança da companhia aérea, como “solução transitória”.

Chega quer saber se a Comissão Europeia fez exigências para viabilizar intervenção na TAP

Pergunta de André Ventura a Pedro Nuno Santos insta responsável pela tutela a dizer quando é que o modelo de negócio e o plano de reestruturação da transportadora aérea serão apresentados à Assembleia da República.

Pedro Nuno Santos: “Teremos de encontrar o equilíbrio em negociação com a Comissão Europeia, que será dura”

Em entrevista ao “Jornal de Negócios”, o ministro refere que a cooperação entre a empresa brasileira e a TAP é para manter e chama ao presidente da Barraqueiro, Humberto Pedrosa, um “empresário patriota”.
Recomendadas

Assista agora à JE editors Talks: Energia Solar

Assista agora e conheça o potencial português na área da energia solar e saiba que importância esta terá no futuro do fornecimento de energia nacional.

Lucros do Grupo Crédito Agrícola caem 33% no primeiro semestre para 50 milhões de euros

As imparidades constituídas de 391 milhões de euros penalizaram o resultado líquido consolidado do Crédito Agrícola no primeiro semestre de 2020.

Regulador aprova alteração de marca da EDP Distribuição para E-REDES

Em comunicado, o regulador refere que a alteração da imagem e denominação da gestora das redes de distribuição de energia “será implementada de forma gradual, por forma a assegurar a neutralidade de custos para os consumidores de eletricidade”.
Comentários