Nova concessão do serviço postal universal com mesmo nível de exigência mas penalização por incumprimento será mais grave

Anacom decidiu esta segunda-feira manter o nível de exigência na avaliação do serviço postal universal e agravar a penalização por incumprimento dos objetivos de qualidade de desempenho.

Presidente do Conselho de Administração, João Cadete de Matos | Manuel de Almeida/LUSA

O formato do novo contrato de concessão do serviço postal universal, que está até ao fim de 2021 nas mãos dos CTT – Correios de Portugal, ainda não é conhecido, mas a Autoridade Nacional de Comunicações já decidiu que vai manter as exigências dos 24 indicadores de qualidade atuais e agravar a penalização pelo seu cumprimento.

Esta é uma das decisões finais sobre os critérios do futuro contrato de concessão do serviço postal universal, que a Anacom revelou esta segunda-feira, numa altura em que o Governo prepara a nova concessão. Os CTT, operador histórico deste serviço encarado como o único preparado para a prestação do correio universal, tem manifestado disponibilidade para manter a concessão, desde que ocorram alterações face ao modelo de concessão atual, como um aligeiramento dos indicadores de qualidade do regulador. A empresa tem falhado as metas de avaliação, considerando-as “impossíveis” de cumprir.

A Anacom, por sua iniciativa, tomou uma decisão no sentido oposto, reforçando o escrutínio sobre a avaliação da qualidade deste serviço universal público. Em comunicado, o regulador anunciou que vai manter “o conjunto de indicadores de qualidade de serviço (IQS) em vigor desde 2019, bem como os objetivos de desempenho que lhes estão associados, mantendo assim o nível de exigência face ao que tem existido para o atual prestador de serviço universal”. Acresce o aumento do “valor da compensação aos utilizadores a aplicar pelo incumprimento dos objetivos de desempenho do IQS”.

O organismo liderado por João Cadete de Matos decidiu que qualquer incumprimento dos IQS “implicará a aplicação de uma dedução no preço médio anual do cabaz de serviços de correspondências, encomendas e jornais e publicações periódicas que sejam prestados pelo PSU [prestador do serviço universal] em causa, limitada ao valor máximo de 3% (atualmente é de 1%)”.

Isto porque a Anacom entende que “uma dedução mais elevada por incumprimento dos objetivos de desempenho” é a forma “mais dissuasora” desse incumprimento, “sem prejuízo da aplicação de outros mecanismos sancionatórios previstos no quadro legal”, justifica a Anacom.

Em matéria de preços, o regulador decidiu também a regra base para a formação dos preços do serviço postal universal. O atualmente, a formação dos preços do serviço é “baseada numa variação máxima de preços, avaliando os preços com base nos princípios da acessibilidade a todos os utilizadores e da orientação de preços para os custos”. Ora, para o próximo contrato de concessão o regulador sectorial vai considerar “à partida” uma “proposta de preços”, como estando em “conformidade com o princípio da orientação dos preços para os custos, se da mesma resultar uma redução da margem do cabaz de serviços que integram o serviço postal universal ou, no limite, a manutenção da margem do cabaz”.

A Anacom, contudo, vai continuar “a dar especial atenção a propostas de variações médias anuais de preços significativas “(com especial atenção a propostas de variações de preços num ano superiores a 10% ou a propostas de preços que apresentem, em dois anos consecutivos, variações acumuladas de preço acima de 15%), tendo em conta o possível impacto das mesmas na acessibilidade”.

Uma outra decisão tomada pela administração de João Cadete de Matos foi “a fixação de uma variação anual máxima para o preço dos envios de correspondência não prioritária nacional com peso até 20 gramas, que constitui a prestação com maior importância em termos de tráfego expedido pelo segmento de utilizadores ocasionais”.  Desta forma, o regulador continua a evitar que a variação do preço dos envios de correspondência não prioritária seja “superior ao valor da inflação estimada para cada ano, acrescida de 1 ponto percentual”.

O novo contrato de concessão vai obrigar o operador incumbente à “prestação gratuita de um conjunto de envios especificamente destinados a invisuais e amblíopes”.

A Anacom determinou também a obrigação do próximo operador postal do serviço universal ter de melhorar a informação prestada aos utilizadores sobre o acesso ao serviço e às estações de correios.

Estas determinações do regulador para o futuro do serviço postal universal decorrem de uma consulta pública, que contou com a participação de 40 entidades, operadores postais, autarquias e cidadãos, segundo a Anacom. Estas regras serão comunicadas ao Governo para as ter em conta na preparação do novo contrato do serviço postal universal e na seleção do prestador.

O novo contrato de concessão do serviço postal universal deveria ter ficado definido no final de 2020, mas, invocando os efeitos da pandemia, o Governo decidiu unilateralmente prolongar até ao final de 2021 o atual contrato de concessão aos CTT. Tal, levou os Correios a pedir uma compensação ao Estado.

Em fevereiro, o Governo criou um grupo de trabalho para avaliar o futuro do serviço postal universal. De acordo com a agência Lusa, as o relatório de conclusões, que deveria ter sido conhecido no final de abril, ainda está a ser preparado pelo Governo.

Ler mais
Relacionadas

CTT. Governo cria grupo de trabalho para avaliar e ajustar serviço postal universal

Governo diz que futuro do serviço postal universal carece de “avaliação e eventual introdução de ajustamentos”, quer no teor do serviço quer nas obrigações. O contrato com os CTT terminava no final de 2020, mas foi prolongado até ao final de 2021. Decisão é justificada com pandemia.

Pedidos de compensação dos CTT serão remetidos para arbitragem, diz Governo

Foi após a divulgação das contas de 2020 que o operador postal revelou que tinham ativado “os mecanismos de compensação pela decisão unilateral de extensão do contrato”, no início de 2021. “O assunto será remetido e tratado em sede de arbitragem”, diz o Ministério das Infraestruturas ao “Dinheiro Vivo”.

CTT consideram “muito improvável” e “bastante indesejável” não renovação da concessão do serviço postal universal (com áudio)

CEO dos CTT, João Bento, está confiante na renovação da concessão do serviço postal universal. Mas, caso não haja uma nova concessão do serviço, o gestor assegurou, em declarações ao Jornal Económico, que os CTT manterão um correio “de qualidade, de acesso universal e sem as restrições do contrato de concessão”.

João Bento: “Estamos a pedir para reequilibrar o contrato, porque ele se desequilibrou”

Os CTT querem ser compensados pelo Estado pelo prolongamento por mais um ano do contrato de concessão do serviço postal. Em declarações ao Jornal Económico, João Bento, CEO da empresa postal, defende o “pedido de reequilíbrio”, face ao contexto pandémico. Situação poderá ser resolvida num processo arbitral.

CTT querem ser compensados pelo Estado pelo prolongamento de um ano do contrato de concessão do serviço postal (com áudio)

Em conversa com analistas de mercado, no rescaldo da apresentação dos resultados de 2020, o CEO dos CTT, João bento, confirmou que a empresa iniciou “os procedimento formais” tendo em vista uma compensação pelo prolongamento da concessão sem um ajuste dos termos.

Anacom prolonga até ao fim do ano obrigações dos CTT para serviço postal universal

O atual contrato de concessão do serviço postal universal, que terminava no dia 31 de setembro, foi estendido pelo Governo por mais um ano, vigorando até final de dezembro de 2021. Inicialmente, o Executivo tinha prorrogado o contrato de concessão até setembro.

Governo sublinha que “qualquer prolongamento da concessão dos CTT implica cumprimento das obrigações”

Pedro Nuno Santos falava na audição conjunta das comissões parlamentares de Orçamento e Finanças e da Economia, Inovação, Obras Públicas e da Habitação, no âmbito da apreciação, na especialidade, da proposta do Orçamento do Estado para 2021 (OE2021)
Recomendadas

Porto de Lisboa com protocolo de segurança para receber cruzeiros

No âmbito do processo de levantamento gradual das restrições impostas para travar a covid-19, “a partir das 00:00 horas desta segunda-feira e até às 23:59 horas de 30 de maio, é permitido o embarque, desembarque e licenças para terra de passageiros e tripulações dos navios de cruzeiro em portos localizados em território nacional continental”, lembra a Administração do Porto de Lisboa (APL), num comunicado hoje emitido.

“Senti como uma agressão. Um modo de agir preconceituoso e racista”. Deputada Romualda Fernandes reage a episódio com a Lusa

Citada hoje pelo Público, a deputada socialista refere que “infelizmente” não lê o episódio “como um lapso, ou como um erro”, porque no seu entender “reflete um pensamento, um modo de agir profundamente preconceituoso e racista” que sentiu “como uma agressão”.

Turismo em Portugal deverá crescer 20% a 30% em 2021, estima Governo

“Se tudo continuar a correr bem ao nível do plano de vacinação, do controlo das novas estirpes e do certificado verde digital, temos boas perspetivas para ficarmos neste ano 20% a 30% acima do ano passado”, realçou a governante em entrevista.
Comentários