Nova lei da parentalidade já foi oficializada: O que vai mudar para pais e mães?

O pagamento da baixa a 100% para grávidas que trabalhem de noite ou que apresentem uma gravidez de risco é uma das medidas que vai avançar. Os pais com filhos portadores de deficiência, doença crónica ou doença oncológica passam a beneficiar de uma licença até seis meses, que pode ser prorrogável até aos quatro anos de idade.

A nova lei da parentalidade foi publicada esta quarta-feira, 4 de setembro, em Diário da República, sendo que algumas leis vão entrar em vigor já em outubro e outras apenas no próximo ano, previstas no âmbito do Orçamento de Estado para 2020.

É a partir do próximo ano que o pai passa a ter mais cinco dias de licença para gozar obrigatoriamente, totalizando 20 dias úteis. “É obrigatório o gozo pelo pai de uma licença parental de 20 dias úteis, seguidos ou interpolados, nas seis semanas seguintes ao nascimento da criança”, sendo que os cinco dias adicionais terão de ser gozados “de modo consecutivo imediatamente a seguir a este”.

Em Diário da República ficou ainda estabelecido o direito “a três dispensas do trabalho para acompanhar a grávida às consultas pré-natais”.

Também a entrar em vigor no próximo ano, está o aumento da licença de parto no caso de bebés prematuros que nasçam até às 33 semanas, mesmo que não fique internada. Caso a criança fique internada, a licença “é acrescida de todo o período de internamento”, sendo que no segundo caso, acrescem 30 dias à licença.

Caso as mulheres grávidas residam numa ilha autónoma e precisam de se deslocar para um hospital fora da área de residência para realizar o parto, terá direito a uma licença pelo período de tempo que for considerado necessário à sua deslocação.

Os pais com filhos portadores de deficiência, doença crónica ou doença oncológica passam a beneficiar de uma licença até seis meses, que pode ser prorrogável até aos quatro anos de idade. Caso exista necessidade de prolongar a assistência, e esta for confirmada por um médico, a licença pode ser estendida até aos seis anos.

O pagamento da baixa a 100% para grávidas que trabalhem de noite ou que apresentem uma gravidez de risco também é uma das medidas que está confirmada no Diário da República.

A proposta para a alteração da lei foi aprovada a 3 de maio de 2019 e promulgada a 23 de julho de 2019, tendo sido só agora publicada em Diário da República.

Ler mais
Relacionadas

Parentalidade: licença obrigatória aumenta, licença facultativa diminui a partir de 2020

A partir de 2020, os pais passam a ter mais cinco dias de licença para gozar obrigatoriamente, alargando para 20 dias úteis. Mas em contrapartida, a licença facultativa vai diminuir, de 10 para 5 dias úteis. Na prática, o pai continuará a ter os mesmos 25 dias que gozava até aqui, entre licença obrigatória e facultativa, mas a distribuição dos dias é diferente.

Parentalidade: Bruxelas quer alargar licença dos pais para quatro meses

As instituições comunitárias – Comissão, Conselho e Parlamento Europeu – chegaram a um acordo para que todos os progenitores tenham quatro meses de licença paternidade, dois dos quais deverão ser remunerados.
Recomendadas

Costa pede ao Reino Unido que defina a sua posição “de uma vez por todas”

O primeiro-ministro manifestou-se hoje “preocupado” com o impasse político no parlamento britânico para a aprovação do Brexit e pediu ao Reino Unido, “de uma vez por todas”, para definir o que pretende acordar com a União Europeia.

Diretor executivo de tecnologia da Microsoft escolhido por Siza Vieira para a Transição Digital

O gestor da Microsoft Portugal foi o nome escolhido pelo ministro Pedro Siza Vieira para ocupar a nova secretaria de Estado, que terá como função dar à tecnologia um papel ativo na simplificação de processos.

Só um terço do novo Governo são mulheres

Radiografia à orgânica do Governo revela entre os 70 elementos do novo governo, 26 são mulheres e 44 são homens. Seriam precisas mais duas mulheres na liderança de ministérios ou secretarias para atingir a meta de 40% de representação.
Comentários