Nova modalidade pré-reforma do Governo propõe 25% a 100% do salário-base

Governo negoceia com sindicatos as pré-reformas com suspensão do trabalho, mas garante que já é possível aos funcionários públicos com mais de 65 anos reduzir o horário laboral.

O Governo quer avançar com uma nova modalidade de pré-reforma na função pública, para que os funcionários com 55 anos ou mais possam deixar de trabalhar mas manter parte do salário, noticia o ”Jornal de Negócios”, esta quarta feira.

A proposta, no entanto, está a suscitar algumas críticas: por um lado, envolve alguns membros do Governo, por outro, por admitir que quando há suspensão do trabalho, as pessoas podem receber entre 25% e 100% do salário-base, sem fixar critérios.

Na proposta que chegou aos sindicatos, relativa à pré-reforma por suspensão de prestação do trabalho, o Governo propõe que o montante a pagar seja fixado por ”acordo entre o empregado e o trabalhador, não podendo ser superior à remuneração-base do trabalhador na data do acordo, nem inferior a 25% da referida remuneração”, cita o jornal da Cofina.

Há dois tipos de pré-forma: a que reduz o horário de trabalho (já regulado na lei) e a que consiste na total suspensão de prestação de trabalho (que agora o Governo vem regulamentar). Estas duas modalidades de pré reforma poderão contribuir para maior motivação laboral, melhor conciliação entre a vida pessoal e profissional e ajudar a criar melhores ambientes de trabalho.

Esse montante está sujeito a actualizações, caso hajam aumentos salariais na Função Pública e descontos para a Caixa Geral de Aposentações, já que o tempo conta para a aposentação.

Recomendadas

Governo cria grupo de trabalho para preparar Web Summit até 2028

O ‘Grupo de Trabalho Web Summit Portugal 2019-2028’ vai entrar em vigor já este ano, com o objetivo de “assegurar a organização e a coordenação da Web Summit, em cada ano do período de 2019 a 2028”.

Governo envia hoje para o Parlamento e Bruxelas esboço do Orçamento do Estado para 2020

Documento segue primeiro para a Assembleia da República e depois para a Representação Permanente de Portugal junto da União Europeia, que reencaminha para Bruxelas.

Marca Portugal vale mais de 190 mil milhões de euros, diz consultora

Num ranking de cem países, elaborado pela Brand Finance, a marca Portugal surge na posição 48, à frente de países como Egito, Peru, Hungria, Eslováquia, Luxemburgo e Grécia. Contudo, países como Roménia, África do Sul, Nova Zelândia, Cazaquistão, Irão, Vietname ou Qatar surgem à frente de Portugal.
Comentários