Nova modalidade pré-reforma do Governo propõe 25% a 100% do salário-base

Governo negoceia com sindicatos as pré-reformas com suspensão do trabalho, mas garante que já é possível aos funcionários públicos com mais de 65 anos reduzir o horário laboral.

O Governo quer avançar com uma nova modalidade de pré-reforma na função pública, para que os funcionários com 55 anos ou mais possam deixar de trabalhar mas manter parte do salário, noticia o ”Jornal de Negócios”, esta quarta feira.

A proposta, no entanto, está a suscitar algumas críticas: por um lado, envolve alguns membros do Governo, por outro, por admitir que quando há suspensão do trabalho, as pessoas podem receber entre 25% e 100% do salário-base, sem fixar critérios.

Na proposta que chegou aos sindicatos, relativa à pré-reforma por suspensão de prestação do trabalho, o Governo propõe que o montante a pagar seja fixado por ”acordo entre o empregado e o trabalhador, não podendo ser superior à remuneração-base do trabalhador na data do acordo, nem inferior a 25% da referida remuneração”, cita o jornal da Cofina.

Há dois tipos de pré-forma: a que reduz o horário de trabalho (já regulado na lei) e a que consiste na total suspensão de prestação de trabalho (que agora o Governo vem regulamentar). Estas duas modalidades de pré reforma poderão contribuir para maior motivação laboral, melhor conciliação entre a vida pessoal e profissional e ajudar a criar melhores ambientes de trabalho.

Esse montante está sujeito a actualizações, caso hajam aumentos salariais na Função Pública e descontos para a Caixa Geral de Aposentações, já que o tempo conta para a aposentação.

Recomendadas

ISV: Fisco ‘perde’ recurso por ausência de respostas ao Constitucional

Na origem deste recurso esteve um processo, que correu no Centro de Arbitragem Administrativa (CAAD), movido por um contribuinte que reclamava da forma como foi aplicado o Imposto Sobre Veículos (ISV) num carro usado importado de outro país da União Europeia.

Banco de Portugal quer rever regras sobre governo e controlo interno de bancos

Segundo o BdP, atualmente as regras que os bancos têm de cumprir estão nos avisos n.º 10/2011 sobre as regras que regem as remunerações e n.º5/2008 sobre sistema de controlo interno, considerando que é necessário rever estes regulamentos para levar em conta as melhores práticas e as “lições” que dos últimos anos permitiu retirar.

BCE lucra 2,4 mil milhões de euros em 2019

A maior fonte de receitas da instituição liderada por Christine Lagarde é a compra de ativos (1,4 mil milhões de euros em 2019), como a dívida pública. O Banco Central Europeu (BCE) teve um lucro de 2.366 milhões de euros em 2019, acima dos 1,6 mil milhões de euros reportados em 2018.
Comentários