Nova Praça de Espanha vai ter parque maior que o Jardim da Estrela

Trabalhos de requalificação da Praça de Espanha arrancaram hoje, devendo estar concluídos no espaço de 10 meses.

DR

Arrancaram hoje os trabalhos de requalificação da Praça de Espanha, que vai passar a ter menos automóveis e mais árvores. As obras vão durar ao longo de 2020, devendo estar concluídas até ao final do ano.

O Parque Urbano da Praça de Espanha vai ter mais de seis hectares, uma área superior ao Jardim da Estrela, ciclovias e uma ligação pedonal entre a Fundação Calouste Gulbenkian e Sete Rios, segundo a câmara municipal de Lisboa.

“Toda esta zona vai ser transformada num enorme parque verde será uma das obras mais importantes ao longo deste ano, ano em que Lisboa é a capital verde europeia”, disse o presidente da câmara de Lisboa Fernando Medina esta segunda-feira, citado pela RTP.

A partir desta segunda-feira, o acesso entre a Avenida Calouste Gulbenkian e a Avenida Santos Dumont está cortado, havendo alternativas previstas, conforme o mapa infra.

O autarca pediu a “compreensão de todos” para estes trabalhos, sublinhando que “no final da obra, a fluidez do trânsito irá melhorar nas vias principais”. Fernando Medina apontou que então será permitida a circulação direta da Avenida de Berna à Avenida Calouste Gulbenkian.

 

 

 

Ler mais
Relacionadas

Praça de Espanha com trânsito condicionado a partir de hoje

A via de ligação entre a Avenida Calouste Gulbenkian e a Avenida Santos Dumont vai ser encerrada a partir de hoje devido aos trabalhos de requalificação da Praça de Espanha. Saiba quais são as alternativas.
Recomendadas

Morreu Sindika Dokolo, marido da empresária Isabel dos Santos

O empresário congolês encontrava-se no Dubai, onde Isabel dos Santos havia postado uma fotografia na sua conta pessoal de Instagram na tarde desta quinta-feira.

Maior desafio do próximo século será reconciliar a biodiversidade com a economia, defende Comissão Europeia

Durante a terceira edição do Blue Bio Value, John Bell, um dos membros da Direção-Geral de Pesquisa e Inovação da Comissão Europeia considerou que o próximo passo da transição sustentável será reconciliar a biodiversidade com a economia. “Essa vai ser a tarefa mais desafiante do próximo século”, vincou.

António Costa defende que se “destruam os fantasmas da regionalização”

“É preciso destruir os fantasmas da regionalização, para que o país possa um dia pronunciar-se de novo sobre este tema, sem temores de aumento de despesa, multiplicação de lugares, etc. Porque é que os cidadãos não hão-de eleger os seus representantes regionais se já conseguimos que os autarcas o fizessem?”, questionou o primeiro-ministro.
Comentários