Nova vaga de estrangeiros traz dinâmica positiva ao mercado de trabalho

Fluxo de imigração que se verifica desde 2017 traz trabalhadores mais jovens e com mais qualificações do que os portugueses, aponta estudo do Banco de Portugal publicado no Boletim Económico.

O fluxo de estrangeiros que se verifica em Portugal está a ter efeitos positivos no mercado de trabalho, considera um estudo do Banco de Portugal (BdP) publicado esta quinta-feira, no Boletim Económico. Não só a população ativa do país está a aumentar sobretudo graças à imigração, como os novos residentes têm mais qualificações do que os portugueses.

Numa caixa sobre o contributo dos estrangeiros para a evolução da população ativa, o BdP começa por salientar que o país estava num quadro de redução e envelhecimento da população até 2016.

“A partir de 2017 esta tendência inverteu-se, refletindo sobretudo o contributo da população com nacionalidade portuguesa e, mais recentemente, o contributo dos indivíduos de nacionalidade estrangeira. Desde meados de 2018 a população ativa estrangeira tem permitido sustentar a evolução da população ativa em Portugal”, aponta o documento.

No primeiro semestre de 2019, os estrangeiros residentes em Portugal em idade ativa ascendiam a 198 mil, representando 3% da população deste escalão etário.

O BdP considera que fatores como os incentivos fiscais, a perceção de Portugal como um país seguro e o Brexit “estarão a contribuir para o aumento da imigração”. De acordo com o Inquérito ao Emprego, os indivíduos de nacionalidade brasileira são os que mais têm contribuído para o aumento da população residente estrangeira e, entre os europeus, destacam-se os indivíduos provenientes de Itália e do Reino Unido.

E, segundo assinala o estudo do BdP, a população estrangeira tem aumentado não apenas a população ativa, como melhorou a taxa de atividade do país – a grande maioria dos estrangeiros encontra-se a trabalhar.

A população estrangeira tem uma estrutura etária “muito mais jovem” que a da população nacional e revela um nível de escolaridade médio superior ao da população residente nacional. Entre o primeiro semestre de 2011 e o primeiro semestre de 2019, o peso da população estrangeira entre os 25 e os 64 anos com ensino superior duplicou de 15% para 30%, enquanto nos nacionais essa percentagem passou de 17% para 26%.

“Em suma, a recuperação dos fluxos imigratórios de estrangeiros tem contribuído positivamente para a oferta de trabalho em Portugal no período mais recente. Pelas suas características – tipicamente mais jovem, com maior nível de escolaridade e maior taxa de atividade – a população estrangeira poderá também potenciar a dinâmica do mercado de trabalho nos anos vindouros””, conclui o BdP.

Ler mais

Recomendadas

Graça Freitas: “Estádios com público esta época? Está dependente de avaliação rigorosa”

“Temos a capacidade de sermos flexíveis e de nos adaptarmos com medidas progressivas, vamos ter de continuar a avaliar a progressão da epidemia, em cada momento será feita a reavaliação do risco, como nos últimos meses, adaptam-se sempre as medidas ao risco presente, e ao que possa acontecer”, realçou a diretora da DGS.

Covid-19. 96% dos novos casos nas últimas 24 horas registados em Lisboa e Vale do Tejo

A nível nacional, o número de novos casos cresceu 0,61% para 32.700 casos, com o número de vítimas mortais a subir 0,99% para 1.424 óbitos.

Precários Inflexíveis lamentam atraso e exigência “irracional e insultuosa” no apoio a trabalhadores independentes

A associação critica ainda o facto de logo ao acederem ao formulário os trabalhadores independentes se depararem com a necessidade de subscrever uma nova frase na declaração sob compromisso de honra, que têm de confirmar logo no início do pedido, a de que retomarão “a atividade profissional no prazo de 8 dias, após a data de reabertura declarada pelo Governo, caso a mesma tenha estado suspensa ou encerrada devida ao surto de covid-19”.
Comentários