Nova vaga de estrangeiros traz dinâmica positiva ao mercado de trabalho

Fluxo de imigração que se verifica desde 2017 traz trabalhadores mais jovens e com mais qualificações do que os portugueses, aponta estudo do Banco de Portugal publicado no Boletim Económico.

O fluxo de estrangeiros que se verifica em Portugal está a ter efeitos positivos no mercado de trabalho, considera um estudo do Banco de Portugal (BdP) publicado esta quinta-feira, no Boletim Económico. Não só a população ativa do país está a aumentar sobretudo graças à imigração, como os novos residentes têm mais qualificações do que os portugueses.

Numa caixa sobre o contributo dos estrangeiros para a evolução da população ativa, o BdP começa por salientar que o país estava num quadro de redução e envelhecimento da população até 2016.

“A partir de 2017 esta tendência inverteu-se, refletindo sobretudo o contributo da população com nacionalidade portuguesa e, mais recentemente, o contributo dos indivíduos de nacionalidade estrangeira. Desde meados de 2018 a população ativa estrangeira tem permitido sustentar a evolução da população ativa em Portugal”, aponta o documento.

No primeiro semestre de 2019, os estrangeiros residentes em Portugal em idade ativa ascendiam a 198 mil, representando 3% da população deste escalão etário.

O BdP considera que fatores como os incentivos fiscais, a perceção de Portugal como um país seguro e o Brexit “estarão a contribuir para o aumento da imigração”. De acordo com o Inquérito ao Emprego, os indivíduos de nacionalidade brasileira são os que mais têm contribuído para o aumento da população residente estrangeira e, entre os europeus, destacam-se os indivíduos provenientes de Itália e do Reino Unido.

E, segundo assinala o estudo do BdP, a população estrangeira tem aumentado não apenas a população ativa, como melhorou a taxa de atividade do país – a grande maioria dos estrangeiros encontra-se a trabalhar.

A população estrangeira tem uma estrutura etária “muito mais jovem” que a da população nacional e revela um nível de escolaridade médio superior ao da população residente nacional. Entre o primeiro semestre de 2011 e o primeiro semestre de 2019, o peso da população estrangeira entre os 25 e os 64 anos com ensino superior duplicou de 15% para 30%, enquanto nos nacionais essa percentagem passou de 17% para 26%.

“Em suma, a recuperação dos fluxos imigratórios de estrangeiros tem contribuído positivamente para a oferta de trabalho em Portugal no período mais recente. Pelas suas características – tipicamente mais jovem, com maior nível de escolaridade e maior taxa de atividade – a população estrangeira poderá também potenciar a dinâmica do mercado de trabalho nos anos vindouros””, conclui o BdP.

Ler mais
Recomendadas

Guerra comercial: Durão Barroso diz que na hora da escolha, Europa optaria pelos Estados Unidos

Antigo presidente da Comissão Europeia explicou que apesar do maior dinamismo da relação entre a União Europeia e a China, o peso da relação económica e geopolítica continua a pesar mais.

Novos sinais de trânsito chegam às estradas portuguesas em abril de 2020

Alterações ao regulamento de sinalização de trânsito, hoje publicadas em Diário da República, indicam que a partir de 1 de abril de 2020 não podem ser colocados sinais novos que não estejam de acordo com as normas agora aprovadas.

Redução do malparado poderia aumentar PIB per capita em 12 pontos percentuais em dez anos

Estudo estima que alterações ao nível da qualidade da regulação também permitiriam que Portugal tivesse um maior crescimento económico, de mais de sete p.p. em dez anos, enquanto alterações no sistema legal e combate à corrupção poderiam contribuir para um aumento de mais de três p.p. do PIB per capita ao fim de dez anos.
Comentários