Novas tatuagens eletrónicas medem batimentos cardíacos, temperatura ou emoções

Uma equipa de investigadores do Instituto de Sistemas e Robótica (ISR) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra e da Universidade de Carnegie Mellon, em Pittsburgh, encontrou um método para produzir tatuagens eletrónicas através de impressão a tinta (“inkjet”).

Uma equipa de investigadores do Instituto de Sistemas e Robótica (ISR) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) e da Universidade de Carnegie Mellon (CMU) em Pittsburgh encontrou um método para produzir tatuagens eletrónicas através de impressão a tinta (inkjet), o que simplifica a produção e diminui o custo destes dispositivos.

As tatuagens estão a ser desenvolvidas no âmbito do projecto Strechtonics, uma das iniciativas do Programa Carnegie Mellon Portugal (CMU Portugal), financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) e coordenado por Aníbal Traça de Almeida (FCTUC).

Mahmoud Tavakoli, gestor científico do projecto e director do Laboratório de “Soft and Printed Microelectronic” (SPM-UC) do ISR, explica que encontraram uma forma low cost de imprimir circuitos condutores flexíveis com uma impressora 2D.

“Estas tatuagens podem ser facilmente impressas e transferidas para qualquer superfície. O método é muito simples: projecta-se o circuito no computador e depois de 10 minutos temos o nosso circuito impresso. A maior vantagem de produzir em 2D é o baixo custo do equipamento e poder produzir-se em grandes quantidades. Basicamente só é necessária uma impressora e tintas auto condutivas”.

Estas tatuagens são ultrafinas e facilmente transferidas com água para a pele ou roupa, da mesma forma que se aplica uma tatuagem temporária com a utilização de uma esponja húmida. Ao serem colocadas sobre a pele permitem uma monitorização contínua da saúde do utilizador e controlam factores como: atividade muscular, respiração, temperatura corporal, batimentos cardíacos, atividade cerebral, ou até emoções.

Embora a impressão de circuitos com uma impressora 2D não seja novidade, até agora estes circuitos perdiam condutividade quando esticados. De acordo com o investigador “é a primeira vez que existe um método para imprimir circuitos que se podem esticar com uma tradicional impressora inkjet, à temperatura ambiente”.

“Ao contrário dos outros métodos, este elimina a necessidade de curar a tinta nas temperaturas altas sendo assim compatível com vários tipos de plástico o que nos permitiu criar circuitos ultrafinos, a que chamamos “tatuagens eletrónicas”. Estes circuitos são compostos por nano partículas de prata revestidas com metal líquido e podem ser esticados até ao dobro do seu tamanho sem perder a condutividade”.

Ainda segundo o investigador, o objetivo no futuro é que “seja possível inserir estas tatuagens dentro da pele e do corpo humano. Por exemplo, para pessoas com lesões na medula espinal que não conseguem andar, criar uma forma de conseguir aplicar estas tatuagens na medula de forma a estimulá-la e reactivar os nervos para que funcionem outra vez”. Fora do âmbito da saúde, estes circuitos eletrónicos podem ser utilizados em qualquer superfície 3D.

PCGuia
Ler mais
Recomendadas

Já há pessoas detidas no Estádio do Jamor

Este sábado, joga-se a final da Taça de Portugal, entre o Sporting e o FC Porto, com hora marcada para às 17:15.

ASAE apanha talhos a vender carne falsificada e estragada

As principais infrações registadas foram o abate clandestino, a venda de produtos alimentares estragados ou falsificados e a fraude sobre mercadorias, tanto em talhos de rua como em superfícies comerciais.

“Insulto covarde e indigno”. Sócrates reage às acusações de Patrick Monteiro de Barros sobre Berardo

Em reação à entrevista do ex-acionista do Grupo Espírito Santo ao Jornal Económico, o ex-primeiro-ministro nega que tenha tido “relações pessoais ou sociais próximas com Joe Berardo” nem ter discutido ou intervindo “em concessões de crédito da Caixa Geral de Depósitos a empresas dele”.
Comentários