Novo Banco chega a acordo com Abanca para vender operação em Espanha (com áudio)

A operação do banco português no país vizinho inclui 10 balcões. “O acordo celebrado representa a opção mais adequada de desinvestimento do negócio, garantindo a manutenção de serviço aos clientes e oferecendo atrativas perspetivas de longo prazo para clientes e colaboradores em Espanha”, segundo a instituição.

António Ramalho, Novo Banco | Cristina Bernardo

O Novo Banco anunciou hoje que chegou a acordo com o Abanca para vender a sua operação em Espanha, que inclui 10 balcões e respetivos trabalhadores, assim como as operações de banca privada e PME.

“A concretização da operação está sujeita às respetivas autorizações regulatórias s e a sua conclusão é esperada no segundo semestre de 2021”, disse hoje o banco português em comunicado enviado à CMVM, não revelando o valor do negócio.

Tal como o Jornal Económico tinha revelado a 15 de janeiro, o Abanca encontrava-se na corrida ao Novo Banco Espanha, assim como os chineses da Haitong e várias ‘cajas de ahorros’ espanholas.

O banco presidido por António Ramalho diz que “analisou diversas opções estratégicas relacionadas com a operação em Espanha e deu início a um processo de venda em maio de 2020, e a 30 de setembro registou a operação como descontinuada no balanco do Banco”.

“O acordo celebrado representa a opção mais adequada de desinvestimento do negócio, garantindo a manutenção de serviço aos clientes e oferecendo atrativas perspetivas de longo prazo para clientes e colaboradores em Espanha”, segundo a instituição.

Esta transação “representa mais um marco relevante no processo de desinvestimento de ativos e operações não-core, nomeadamente contribuindo para uma redução da complexidade da estrutura e dos custos e permitindo ao Novo Banco prosseguir a sua estratégia de reafectação de recursos à atividade bancária em Portugal”.

O banco aponta que a “venda é consistente com o plano estratégico do Banco, executado de forma a cumprir com os compromissos definidos para 2021, assumidos pelo Estado Português perante a Comissão Europeia em 2017 no contexto da venda de uma participação do capital social do Novo Banco. A transação irá melhorar o rácio de eficiência (Cost to Income) e a rentabilidade dos capitais próprios, sendo esperado: um impacto marginal no resultado líquido de 2021; um incremento da posição de capital em cerca de 55bps no Common Equity Tier 1 ratio (esperado); e impacto positivo nos rácios de liquidez (LCR e NSFR)”.

Recomendadas

Relatório final da Comissão de Inquérito ao Novo Banco aprovado com votos contra do PS e abstenção do CDS

O relatório final da Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco imputadas ao Fundo de Resolução foi aprovado com os votos contra do PS e com a abstenção do CDS.

Relatório final da CPI ao Novo Banco com votos contra do PS e sem relator que renunciou

O PS vota contra o relatório final da CPI ao Novo Banco devido às conclusões sobre a venda de 2017 que foram introduzidas na votação da especialidade. Mais de 100 propostas de alteração foram aprovadas. Fernando Anastácio renunciou às condições de relator.

Perdas do Novo Banco imputadas ao Fundo de Resolução. Veja a discussão e votação do relatório final da CPI

A Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução procede hoje à discussão e votação do relatório final. Veja em direto.
Comentários