Novo Banco é o mais exposto aos grandes devedores e regista perdas de 3,5 mil milhões de euros

Relatório dos grandes devedores à banca foi divulgado esta terça-feira, dia 16 de julho, pelo Banco de Portugal, sem nomes, mas com todos os restantes dados, que tinham sido exigidos pelos deputados.

A Caixa Geral de Depósitos e o Novo Banco são as instituições mais expostas aos grandes devedores, com perdas efetivas referentes à última ajuda pública, de 1,9 mil milhões de euros e de 3,5 mil milhões de euros, respetivamente, revela o relatório do Banco de Portugal (BdP) divulgado esta terça-feira.

O relatório sobre os bancos que receberam ajuda pública nos últimos 12 anos disponibiliza informação “agregada e anominizada” sobre as grandes posições financeiras das instituições de crédito”. A divulgação da lista ocorre depois de em maio o supervisor ter divulgado publicamente parte do relatório com dados sobre a injeção de dinheiro público na banca, mas sem os dados agregados de todas as instituições que recorreram a fundos públicos neste período: Caixa Geral de Depósitos, BES/Novo Banco, Banif, BPN, BCP e BPI.

A informação é divulgada sem nomes, mas com todos os restantes dados, que tinham sido exigidos pelos deputados. Desta forma, fica assegurada a proteção da informação que está abrangida por segredo bancário.

Em causa estão posições financeiras de montante agregado superior a 5 milhões de euros, desde que igual ou superior a 1% do valor total dos fundos públicos mobilizados para essa instituição. Para cada uma das instituições foi definido o seguinte limite mínimo de posição financeira igual ou superior: para a CGD 62,5 milhões de euros, para o BPN 49,2 milhões de euros, para o BES/Novo Banco 43,3 milhões de euros, para o Banco Internacional do Funchal 33,6 milhões de euros, para o BCP 30 milhões de euros, para o BPI 15 milhões de euros e para o BPP 5 milhões de euros.

A ajuda do Estado a cada uma das instituições ocorreu em períodos diferentes pelo que os valores e os grupos de devedores de crédito a cada instituições não são comparáveis, no entanto, há dois banco que se destacam.

O Novo Banco é a instituição com maiores perdas, que inclui medidas de restruturação, write-off, cessão a terceiros com desconto e execução de garantias, tendo registado aquando da última injeção de capital a 30 de junho de 2018, perdas de 3.542 milhões de euros. Nesta altura, registava imparidades de 2.420 milhões de euros, com uma exposição 4.471 milhões de euros.

Já a Caixa Geral de Depósitos, a 30 de junho de 2017 – data da última ajuda pública – registou perdas de 1.910 milhões de euros e imparidades de 1.672 milhões de euros, com uma exposição ao crédito de 2.859 milhões de euros.

No ranking dos bancos mais expostos aos grandes devedores destacam-se ainda o BCP, que registou perdas efetivas de 2.023 milhões de euros e imparidades de 556 milhões de euros, com uma exposição à data de 2.788 milhões de euros.

O BPN, que recebeu ajuda do Estado em 2012, registou imparidades de 1.896 milhões de euros e perdas de 11 milhões, numa altura que tinha uma exposição de crédito de 3.513 milhões de euros.

Relatório foi entregue incompleto a 23 de maio

O BdP entregou um relatório no Parlamento com a informação sobre os créditos dos bancos ajudados por dinheiros públicos nos últimos 12 anos, mas os partidos alegaram que faltava o “relatório com o resumo sob a forma agregada e anonimizada da informação relevante relativa às grandes posições financeiras”, tal como exige a lei.

Já em junho, perante os deputados, o governador Carlos Costa, explicou que o supervisor estava “inteiramente disponível” para fornecer à Assembleia da República a informação em causa, mas, explicou, era preciso que se chegasse a um consenso sobre os critérios de agregação. Posteriormente, ocorreram reuniões na Comissão de Orçamento e Finanças com responsáveis do BdP para acordar os termos do que será divulgado. E foi no âmbito destas reuniões que terá ficado acordado que este relatório com mais informação teria de ser publicado, no máximo, até dia 17 de julho, de manhã.

 

Ler mais
Relacionadas

Estado injetou 24 mil milhões na banca, mas só recuperou 20% das ajudas

Estado injectou 24 mil milhões na banca nos últimos 12 anos. Qualquer coisa como 12% do PIB português.Mas só recuperou 5,3 mil milhões, pouco mais de um quinto. Contas feitas, falta recuperar cerca de 80% das ajudas à Caixa Geral de Depósitos (CGD), BES/Novo Banco, Banif, BPN, BCP e BPI.

Grandes devedores à banca. Veja aqui a lista entregue pelo Banco de Portugal

Esta é a lista agregada dos grandes devedores dos bancos que recorreram a ajuda pública, informação em que não consta o nome dos clientes incumpridores.

Cinco dos grandes devedores do Novo Banco provocaram perdas de 3,4 mil milhões de euros

Relatório divulgado esta quarta-feira pelo Banco de Portugal revela que um dos grupo económicos provocou perdas de 2,9 mil milhões de euros ao Novo Banco, que nesse período registou perdas totais de 3,5 mil milhões de euros.
Recomendadas

Banco Santander lidera Índice de Igualdade de Género da Bloomberg 2020

Para a elaboração do índice foram avaliadas 6.000 empresas de 84 países, tendo-se incluído no final 322 empresas.

BCP integra Bloomberg Gender-Equality Index pela primeira vez

A par da valorização das competências genéricas e específicas, “o Millennium bcp identifica de forma justa, e exclusivamente com base no mérito, os colaboradores com potencial e talento para virem a assumir funções de responsabilidade e complexidade acrescidas”, diz o banco.

Procura de crédito aumentou no quarto trimestre, diz Banco de Portugal

No 4º trimestre de 2019, a oferta de crédito concedido a empresas e a particulares permaneceu praticamente inalterada face ao trimestre anterior e as instituições participantes não antecipam alterações de relevo para o 1º trimestre de 2020.
Comentários