Novo Banco faz fusão por incorporação com BES das Ilhas Caimão

Contactada pela Lusa, fonte oficial do Novo Banco confirmou a informação, explicitando que se trata de uma fusão por incorporação.

Cristina Bernardo

O Novo Banco vai fazer uma fusão por incorporação com o Bank Espírito Santo International Limited (BESIL), sediado nas Ilhas Caimão, confirmou fonte oficial do banco liderado por António Ramalho à Lusa.

Os jornais Eco e Negócios noticiaram hoje que o Novo Banco iria incorporar o BES das Ilhas Caimão, de forma a simplificar a estrutura do grupo e reduzir custos.

Contactada pela Lusa, fonte oficial do Novo Banco confirmou a informação, explicitando que se trata de uma fusão por incorporação.

O Bank Espírito Santo International Limited foi constituído em 1983 e adquirido pelo Banco Espírito Santo (BES) em 2002, e é detido a 100% pelo Novo Banco, que sucedeu ao BES.

Na terça-feira, o presidente do Novo Banco, António Ramalho, disse que os bancos terão de continuar a reduzir custos e considerou que há uma “intolerância do mercado” para novas subidas nas comissões.

“A nossa capacidade de nos reajustarmos sobre custos mais baixos é real”, afirmou António Ramalho, na conferência Banca do Futuro, organizada pelo Jornal de Negócios, em Lisboa, referindo ainda que os bancos deverão “abandonar alguns negócios onde não há rentabilidade suficiente”.

Ler mais
Recomendadas

Parlamento ouve hoje presidente do Fundo de Resolução sobre nova injecção no Novo Banco

Luís Máximo dos Santos vai nesta quarta-feira, 26 de fevereiro, à Assembleia da República esclarecer as questões levantadas pelo Bloco de Esquerda relativas a uma “perspetiva de nova e relevante injeção de dinheiro do Estado”. Bloquistas querem ainda saber o acompanhamento que tem sido feito de todos os processos de venda de crédito malparado.

Acusação a Ricardo Salgado está parada devido a questões processuais

O processo em que o Banco de Portugal investiga o papel de Ricardo Salgado na sociedade criada para financiar o “buraco” no Grupo Espírito Santo está “preso” porque ainda não levantado o sigilo profissional de um advogado. Ordem dos Advogados tem palavra decisiva.

Comissões arrecadadas pelos bancos subiram 40 milhões de euros e superaram 1.500 milhões em 2019

O parlamento debate esta quinta-feira 11 propostas de Bloco de Esquerda, PCP, PS, PAN e PSD sobre comissões bancárias, como limitar as comissões cobradas pelos bancos em meios de pagamento como MB Way, em declarações relacionadas com contratos de créditos e alterações unilaterais de contratos de crédito.
Comentários