Novo Banco tem 6,9 mil milhões de euros de crédito em moratória

O CEO do Novo Banco disse que estão em análise profunda os efeitos que as moratórias têm sob a base de clientes. “Não deixem para setembro o que podem fazer em março, nem para 2022 o que pode ser feito em 2021”, disse António Ramalho.

Cristina Bernardo

O Novo Banco tem 6,9 mil milhões de euros de crédito em moratória, representando 27% do total da carteira de 25,2 mil milhões de euros de crédito, sendo 33% de empréstimos a empresas, 20% dos empréstimos para a habitação e 16% de empréstimos ao consumo.

O CEO do Novo Banco disse que estão a analisar “profundamente” aquilo que são os efeitos que as moratórias têm sob a base de clientes. “Não deixem para setembro o que podem fazer em março, nem para 2022 o que pode ser feito em 2021”, disse António Ramalho, repetindo uma ideia já proferida noutros fóruns. O banqueiro considera que adiar problemas não resolve nada na banca.

O processo de imparidade das moratórias levou à constituição de novas imparidades de 268,8 milhões de euros, incluindo imparidades individualmente avaliadas e imparidades avaliadas coletivamente.

O crédito a empresas vulneráveis foram reclassificados, antecipando perdas esperadas. No total 13,9 mil milhões de euros de crédito do Novo Banco, 33% estão nos sectores mais vulneráveis.

Do crédito a empresas que está em moratória, 51% está no Stage 1 (sem risco); 36% está no Stage 2 (em risco); e apenas 14% está no Stage 3 (em incumprimento).

O rácio de NPL (non-performing loans) está em 8,9% (incluindo a atividade de legacy). O que compara com 28,1% em 2017.

Tendo em conta o rácio de NPL da atividade recorrente ele está em 3,2%.

O CEO do banco, admite que o rácio piore com a crise de Covid-19, mas diz que a meta de rácio de NPL para 2021 continua nos 5%.

As provisões de crédito acumuladas em ativos que estão fora do CCA (mecanismo de capital contingente) somaram 1,35 mil milhões de euros, de 1 janeiro de 2017 a 31 dezembro de 2020, de acordo com as regras contabilísticas IFRS tal como foi solicitado pela DG Comp.

Relacionadas

Novo Banco fecha 2020 com prejuízo de 1,3 mil milhões e pede 598 milhões ao Fundo de Resolução

No resultado é de realçar um impacto negativo de 300,2 milhões resultado de avaliações independentes aos fundos de reestruturação. As imparidades e provisões, em resultado da descontinuação do negócio em Espanha e do agravamento do nível de incumprimento de alguns clientes (crédito a clientes, garantias e instituições de crédito), somam 1.191,5 milhões.

António Ramalho: “Vamos ter lucros este ano desde o primeiro trimestre”

“Iniciamos em 2021 um período de resultados positivos”, referiu o CEO do Novo Banco. As perdas adicionais com a operação em Espanha, por causa do baixo valor das ofertas, levaram a uma divergência de 166 milhões de euros entre o banco e o Fundo de Resolução.

Fundo de Resolução analisa 160 milhões de euros do pedido do Novo Banco

“Prevê-se que o pagamento que venha a ser devido pelo Fundo de Resolução seja realizado durante o mês de maio, cumpridos que estejam todos os requisitos e procedimentos aplicáveis”, refere a entidade liderada por Máximo dos Santos.

Centeno sobre Novo Banco: “Aquilo que é mais importante é que os acordos sejam cumpridos”

Governador do BdP diz que a comunicação do Novo Banco de que vai pedir mais 598,3 milhões de euros ao Fundo de Resolução é um “pedido” que “tem que ser validado” e “é o que teremos que fazer nas próximas semanas”.
Recomendadas
João Paulo Correia

Novo Banco: PS acusa PSD de querer ganhar na secretaria o que não ganhou com inquérito

“O Partido Socialista esperava da parte do PSD uma posição mais responsável e mais construtiva nesta fase do inquérito. O PSD sente-se tentado a ganhar na secretaria aquilo que não foram os ganhos que espera ter durante os trabalhos do inquérito”, afirmou o deputado socialista João Paulo Correia.

Banco de Portugal divulga primeiro Relatório de Sustentabilidade

Destacam-se, pela sua relevância no contexto da crise pandémica, as ações de comunicação sobre as moratórias e sobre os serviços de pagamento eletrónicos, bem como o protocolo assinado com o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social para a promoção dos serviços mínimos bancários”, diz o BdP.

BCE autoriza bancos a distribuírem livremente dividendos a partir de outubro

A recomendação sobre dividendos permanece aplicável até 30 de setembro de 2021, ou seja, as próximas decisões de pagamento de dividendos devem ocorrer no quarto trimestre de 2021, diz o BCE que liberta assim os bancos para distribuírem dividendos aos seus acionistas a partir de outubro.
Comentários