Novo crédito à habitação cai em junho após máximo de quase um ano em maio

Os empréstimos concedidos pelos bancos a particulares para habitação diminuíram em junho para os 849 milhões de euros, após terem atingido em maio o máximo desde meados de 2018, segundo dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP).

De acordo com os últimos dados do BdP relativos a empréstimos e depósitos bancários, foram concedidos em abril 849 milhões de euros pelos bancos às famílias para empréstimos à habitação, abaixo dos 927 milhões de euros de maio (máximo de junho de 2018) e dos 990 milhões de euros concedidos em junho de 2018.

Desde o início do ano foram já emprestados 4,931 mil milhões de euros de novos créditos à habitação, valor superior aos 4,774 mil milhões de euros concedidos no ano passado entre janeiro e junho.

Ainda em crédito aos particulares, foram concedidos em junho 390 milhões de euros em empréstimos ao consumo, menos 45 milhões de euros do que em maio e menos 29 milhões de euros do que em junho de 2018.

Para outros fins foram emprestados 156 milhões de euros, menos 22 milhões de euros do que em maio e mais 10 milhões de euros do que no mês homólogo do ano anterior.

No que se refere aos novos empréstimos concedidos às empresas, em junho ascenderam a 1.445 milhões de euros nas operações até um milhões de euros, contra 1.655 milhões de euros em maio e 1.545 milhões de euros em junho de 2018.

Nas operações acima de um milhão de euros, os empréstimos concedidos em junho às empresas somaram 1.199 milhões de euros, o que compara com 986 milhões de euros no mês anterior e 1.117 milhões de euros em junho de 2018.

Em junho deste ano, de acordo com a informação divulgada pelo BdP, a taxa de juro média do crédito a particulares para compra de habitação aumentou dois pontos base, para 1,33%, enquanto no crédito ao consumo e para outros fins as taxas de juro médias foram, respetivamente, de 6,99% e 3,81%.

Por fim, a taxa de juro média dos novos empréstimos às empresas foi de 2,26%, valor idêntico ao do mês anterior. Nas operações de crédito acima de um milhão de euros a taxa de juro foi de 1,91%, enquanto nas inferiores a um milhão de euros foi de 2,55%, “diminuindo o diferencial entre as duas taxas face ao mês anterior”, nota o BdP.

Relativamente aos depósitos de particulares nos bancos residentes, totalizavam 148,3 mil milhões de euros no final de junho de 2019, acima dos 146,9 mil milhões de euros em maio.

Ler mais
Recomendadas

Lesados do BES. António Costa “disse que acabou. Não há mais dinheiro”

Uma organizadora do movimento dos emigrantes lesados do BES em França contou hoje à Lusa que o primeiro-ministro, António Costa, lhe disse que não haveria mais dinheiro para além do que já foi acordado.

Adeus, caderneta bancária. Levantamentos de dinheiro acabam este sábado

Esta medida é uma consequência direta da entrada em vigor das novas regras europeias, que exigem mais segurança nas operações bancárias. Clientes do Montepio Geral, Caixa Geral de Depósitos e Crédito Agrícola vão ter de passar a usar somente o cartão de débito para levantar dinheiro.

Sindicatos bancários aplaudem “papel responsável” da DGERT e dizem que negociação para 2019 com o BCP “não está fechada”

Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários, Sindicato dos Bancários do Norte e Sindicato Independente da Banca asseguram que não voltarão “a baixar os braços” porque pediram 2,38% de atualização de tabelas e cláusulas pecuniárias e o banco retorquiu com 0,6%.
Comentários