Nuno Melo: “O PPE fez muito mais do que os socialistas no caso da Roménia”

Eurodeputado português participou na reunião em que foi decidido, quase por unanimidade, suspender o Fidesz, partido do polémico primeiro-ministro húngaro Viktor Orbán.

Cristina Bernardo

O eurodeputado do CDS-PP Nuno Melo disse nesta quarta-feira ao Jornal Económico, na sequência da votação em que o Partido Popular Europeu (PPE) decidiu suspender o Fidesz, partido que está no poder da Hungria, que o grupo político de que fazem parte o CDS-PP e o PSD “fez muito mais do que os socialistas no caso da Roménia, onde acontecem violações graves do Estado de Direito”.

A decisão de suspender o Fidesz, tomada numa sessão em que o polémico primeiro-ministro húngaro Viktor Orbán discursou, implica que o partido não poderá participar nas reuniões do PPE, não terá direito a voto e não poderá propor candidatos a quaisquer cargos.

Durante um período que não ficou estabelecido, mas fica condicionado pela atuação do Fidesz até às eleições europeias de 26 de maio, um triunvirato formado pelo ex-presidente do Conselho Europeu  Herman Van Rompuy, pelo ex-presidente do Parlamento Europeu Hans-Gert Pöttering e pelo ex-chanceler austríaco Wolfgang Schüssel vai avaliar as práticas políticas da direita húngara.

“Terá que ser feito um balanço para optar pela reintegração ou pela expulsão”, comentou Nuno Melo, que realçou o tom “muito moderado” de Viktor Orbán durante a sua intervenção em Bruxelas. No final da reunião, o primeiro-ministro húngaro qualificou a suspensão, aprovada por 190 votos a favor e apenas três contra, como “uma boa ideia” e “um compromisso”, até porque foi apresentada como uma proposta elaborada em conjunto com o Fidesz.

O partido liderado por Orbán tem vindo a ser acusado de pôr em causa o Estado de Direito na Hungria e a sua campanha para as eleições europeias inclui cartazes contra o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, que é membro do PPE, a maior família política do Parlamento Europeu.

Relacionadas

PPE suspende partido Fidesz do húngaro Viktor Orbán

Decisão foi tomada depois de “uma tarde muito intensa e uma reunião que não foi fácil”, apontou líder do grupo parlamentar do grupo conservador, Manfred Weber.

CDS apela ao PPE para excluir partido de Viktor Orbán

Centristas consideram que partido de Viktor Orbán deve ser suspenso ou expulso do PPE.

Orbán enfrenta nova onda de contestação após aprovação da “Lei da Escravatura”

Milhares encheram as ruas da capital da Hungria. A designada “Lei da Escravatura” cria condições legais para que a entidade empregadora exija até 400 horas de horas extras aos seus trabalhadores, por ano.
Recomendadas

Governo de Costa já fez 3.282 nomeações em três anos e meio

O Governo efetuou 3.282 nomeações, com 2.342 para os ministérios e 940 para altos cargos na administração pública.

PremiumMarcelo vai à China captar investimento e desafiar ordem global

Presidente da República vai ao Fórum “Faixa e Rota”, depois de ter apoiado formalmente a iniciativa chinesa de unir a Ásia à Europa. EUA e potências ocidentais temem intenção expansionista do rival.

Presidente do Supremo Tribunal pode receber mais 600 euros mensais do que o primeiro-ministro

Os salários dos magistrados têm um limite salarial máximo que os impede de ganhar mais do que o primeiro-ministro, mas, caso a revisão do estatuto proposta pelo PS venha a ser aprovada, termina este impedimento salarial.
Comentários