O ESG não é uma moda

Há uma clara intenção dos decisores, a nível internacional, de fazer do ESG o fio condutor das políticas para a próxima década.

As referências aos temas ESG têm aumentado de forma evidente, desde as áreas de investimento às práticas e relatórios de sustentabilidade das empresas, passando pela atuação governativa e pelo espaço da discussão pública em geral.

A sigla ESG refere-se a “Environmental, Social and Governance”, ou seja, fatores ambientais, sociais e de governança a serem tidos em conta nos processos de decisão e de organização. O objetivo mais genérico da abordagem ESG é o de promover o desenvolvimento sustentável e a responsabilidade social corporativa, para que seja possível obter consistentemente resultados em três frentes: valor económico, social e ambiental. Em 2015, a ONU definiu 19 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável que, na sua ótica, todos os agentes deverão tentar atingir.

A influência das três “mega tendências” identificadas – transição digital, transição energética e as pessoas – pode ser encontrada nas orgânicas e políticas dos governos a nível global, incluindo em Portugal. Há uma clara intenção dos decisores, a nível internacional, de fazer do ESG o fio condutor das políticas para a próxima década.

Recomendadas

Coronavírus ‘contagia’ Wall Street. Todos os índices em queda

A imprensa internacional dá conta de que o vírus chinês, que teve origem na cidade de Wuhan, já vitimou pelo menos 80 pessoas. A China, que já disse que os sintomas do vírus podem demorar até 14 dias para se manifestaram, cancelou diversos serviços de transportes públicos e celebraçoes da entrada no novo ano para conter a propagação do vírus. As chegadas de turistas a Macau, a capital do jogo, registaram uma queda de 80% face a igual período do ano passado, noticiou a “Bloomberg”.

Coronavírus remete touros ao descanso

Os investidores optam para já pela cautela, alocando capital nos activos refúgio, em resposta à incerteza que emana da situação relativa ao coronavírus.

CTT, Galp e papeleiras pressionam bolsa portuguesa

No PSI 20, quinze empresas cotadas desvalorizam, duas valorizam e uma negoceia sem variação.
Comentários