“O racismo é veneno”. Merkel reage aos ataques em Hanau, na Alemanha

Também a presidente da Comissão Europeia condenou os ataques que provocaram 11 mortos esta quarta-feira. Além das 11 vítimas mortais, quatro pessoas ficaram feridas. Entre os mortos estão o autor dos disparos e a mãe do atacante.

Onze pessoas morreram e cinco outras ficaram gravemente feridas no seguimento de dois tiroteios na noite de quarta-feira na cidade de Hanau, perto de Frankfurt, na Alemanha, na qual o Ministério Público Federal, encarregado da investigação, concluiu ter “motivações xenófobas”.

Em reação aos ataques, a chanceler alemã Angela Merkel considerou que “o racismo é veneno” e confirmou que as evidências sugerem que o atacante foi guiado por motivos de “extrema-direita alemã”, cita o El Mundo, esta quinta-feira. A também alemã e presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen , ficou “profundamente chocada” com a tragédia nesta cidade alemã e transmitiu as suas “mais sinceras condolências” às famílias das vítimas.

Além das nove vítimas do ataque, o alegado autor dos tiroteios e uma segunda pessoa foram encontrados sem vida num apartamento alvo de buscas pelas autoridades poucas horas depois do ocorrido. O atacante foi identificado como Tobias R., de 43 anos, pela polícia alemã; e a segunda pessoa é a mãe dele, de 72 anos. Tobias matou a mãe, que não esteve envolvida nos tiroteios, e suicidou-se de seguida.

As autoridades encontraram um vídeo e uma carta no apartamento que, segundo as autoridades alemãs, refere-se a uma “teoria de conspiração sobre maus tratos a crianças nos Estados Unidos”. O conteúdo já está a ser analisada por especialistas.

O atacante foi identificado após terem sido encontradas pistas num carro abandonado junto ao local dos tiroteios. No interior, havia revistas sobre tiro e munições.

De acordo com o jornal alemão Bild, os tiroteios em Hanau aconteceram em dois bares de shisha diferentes, o Midnight e o Arena Bar & Cafe. Três pessoas foram atingidas mortalmente num e no outro, cinco pessoas morreram. O atacante terá começado a disparar a partir de um carro em movimento em Kurt-Schumacher-Platz, uma praça no centro da cidade, onde se localizam esses estabelecimentos.

Mas o que mais preocupa as autoridades alemãs é a ameaça de terrorismo de extrema direita, especialmente desde o assassinato de um político alemão favorável a migrantes do partido da chanceler Angela Merkel em junho passado.

Na sexta-feira passada, 12 membros de um grupo de extrema direita foram presos como parte de uma investigação antiterrorista. Acredita-se que os detidos estava a planear ataques em larga escala contra mesquitas, imitando o autor do duplo ataque de Christchurch na Nova Zelândia, que em março de 2019 matou 51 pessoas em duas mesquitas e transmitiu o ataque ao vivo no Facebook.

Ler mais
Recomendadas

Quando um vírus serve para tentar legitimar as democracias musculadas

Populações são condescendentes com limitações no contexto de estado de emergência, mas há governos que tendem a exagerar as intrusões e a eternizar as medidas de exceção. Os suspeitos são os do costume.

Reino Unido poderá demorar mais de seis meses a regressar à normalidade

A previsão foi avançada durante o encontro virtual com os meios de comunicação, realizado diariamente a partir de Downing Street, – residência oficial do primeiro-ministro, Boris Johnson – que hoje contou também com o ministro britânico da Habitação, Robert Jenrick.

Alemanha. Ministro das finanças do estado de Hasse encontrado morto em linha do comboio

Thomas Schäfer tinha 54 anos e tinha aparecido recentemente em diversos eventos públicos para alertar para o risco do contágio da Covid-19. Era membro da CDU, o partido de centro-direita da chanceler Angela Merkel.
Comentários