“O sistema atual é perverso para a saúde pública”, diz João Proença

Presidente do conselho geral de supervisão (CGS) da ADSE sustentou que é necessário refletir sobre a relação com o Serviço Nacional de Saúde.

João Proença | Cristina Bernardo

O presidente do conselho geral de supervisão (CGS) da ADSE, João Proença, realçou esta segunda-feira que é necessário que o subsistema não fique dependente dos grande grupos privados, sendo a concepção do sistema que está em causa.

“O sistema atual é perverso para a saúde pública”, disse João Proença, na conferência “O Futuro da ADSE”, realizada no âmbito do ciclo de conferências “Fim de tarde na SEDES com quem sabe”, que teve lugar no auditório da Associação para o Desenvolvimento Económico (SEDES), em Lisboa.

O responsável do CGS da ADSE sustentou que “há grandes grupos hospitalares em que a ADSE representa 40% da faturação”, defendendo que “também era importante que esses grandes grupos hospitalares não funcionassem em cartel”.

Realçou ainda que, apesar de ser necessário “ultrapassar a questão do relacionamento”, urge também refletir sobre a questão de fundo que é a relação com o SNS.

“Mas porque é que o Hospital de Santa Maria não tem a possibilidade de prestar ao lado uma unidade privada?”, questionou, destacando que o serviço nacional de saúde não pode discriminar beneficiários “nem positivamente, nem negativamente”.

Relacionadas

João Proença: “Conselho Diretivo não faz mais convenções e as Finanças estão a pôr em causa a sustentabilidade”

Presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE lança críticas duras a quem entende pôr em causa a sustentabilidade do sistema.

João Proença: “A ADSE é financeiramente equilibrada”

Presidente do conselho geral de supervisão da ADSE reconheceu que esta visão “não quer dizer que não haja problemas”, frisando que a ADSE enfrenta alguns desafios: “É um instituto público a dar os primeiros passos”.

João Proença: “Governo mais troikista que a troika pôs a ADSE completamente financiada pelos beneficiários”

Presidente do Conselho Geral e de Supervisão diz que a ADSE está distante da ideia que muita gente faz dela, sendo financiada pelos beneficiários. João Proença está a ser falar do futuro da ADSE numa conferência na SEDES.
Recomendadas

Açores/Eleições: António Costa diz que região sabe que pode contar com o PS

O líder do PS endereçou uma mensagem de apoio aos socialistas açorianos para as eleições de domingo, dizendo que a região pode contar com o partido.

João Leão: OE2021 tem margem para aumentar apoio ao emprego

O ministro das Finanças afirmou que o Governo tem margem para aumentar as verbas destinadas ao apoio às políticas ativas de emprego se a pandemia se prolongar ou agravar no país.

Costa diz que Portugal tem um “plano muito claro” dos investimentos a realizar até 2030

António Costa encerrou a apresentação do Plano Nacional de Investimentos 2030, afirmando que o Governo está em condições de “poder dar execução” aos investimentos previstos. Metade da verba prevista para o PNI 2030 será para investimentos na ferrovia.
Comentários