“O sistema atual é perverso para a saúde pública”, diz João Proença

Presidente do conselho geral de supervisão (CGS) da ADSE sustentou que é necessário refletir sobre a relação com o Serviço Nacional de Saúde.

João Proença | Cristina Bernardo

O presidente do conselho geral de supervisão (CGS) da ADSE, João Proença, realçou esta segunda-feira que é necessário que o subsistema não fique dependente dos grande grupos privados, sendo a concepção do sistema que está em causa.

“O sistema atual é perverso para a saúde pública”, disse João Proença, na conferência “O Futuro da ADSE”, realizada no âmbito do ciclo de conferências “Fim de tarde na SEDES com quem sabe”, que teve lugar no auditório da Associação para o Desenvolvimento Económico (SEDES), em Lisboa.

O responsável do CGS da ADSE sustentou que “há grandes grupos hospitalares em que a ADSE representa 40% da faturação”, defendendo que “também era importante que esses grandes grupos hospitalares não funcionassem em cartel”.

Realçou ainda que, apesar de ser necessário “ultrapassar a questão do relacionamento”, urge também refletir sobre a questão de fundo que é a relação com o SNS.

“Mas porque é que o Hospital de Santa Maria não tem a possibilidade de prestar ao lado uma unidade privada?”, questionou, destacando que o serviço nacional de saúde não pode discriminar beneficiários “nem positivamente, nem negativamente”.

Relacionadas

João Proença: “Conselho Diretivo não faz mais convenções e as Finanças estão a pôr em causa a sustentabilidade”

Presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE lança críticas duras a quem entende pôr em causa a sustentabilidade do sistema.

João Proença: “A ADSE é financeiramente equilibrada”

Presidente do conselho geral de supervisão da ADSE reconheceu que esta visão “não quer dizer que não haja problemas”, frisando que a ADSE enfrenta alguns desafios: “É um instituto público a dar os primeiros passos”.

João Proença: “Governo mais troikista que a troika pôs a ADSE completamente financiada pelos beneficiários”

Presidente do Conselho Geral e de Supervisão diz que a ADSE está distante da ideia que muita gente faz dela, sendo financiada pelos beneficiários. João Proença está a ser falar do futuro da ADSE numa conferência na SEDES.
Recomendadas

Iniciativa Liberal exige “suspensão imediata” do acordo de extradição entre Portugal e Hong Kong

Os liberais consideram que Portugal não pode aceitar nem “ser cúmplice” do “atropelo democrático” da nova lei de segurança nacional de Hong Kong, que “limita liberdades fundamentais” e “condiciona a oposição democrática ao regime chinês”.

BE tem “disponibilidade para negociar” com Costa, mas concentrando-se no OE2021

A coordenadora do BE, Catarina Martins, assumiu esta quarta-feira manter “toda a disponibilidade para negociar” com o Governo socialista um eventual acordo formal, mas quer concentrar-se em medidas imediatas e no Orçamento do Estado para 2021 (OE2021).

BE e PCP confrontam Governo com situação precária de trabalhadores não docentes nas escolas

O Bloco de Esquerda quer saber se o Executivo socialista está a ponderar integrar os trabalhadores contratados a termo certo em 2017 nos quadros da Administração Pública e o PCP considera “inaceitável” que esses profissionais continuem em situação precária e que esteja a ser promovido o seu despedimento.
Comentários