Premium“O teatro faz-nos esquecer dos nossos problemas”

A arte realmente pode mudar a vida das pessoas, é o que dizia Fernando Pessoa, mas é o que diz também Nuno Santos, da Direção do Teatro São Luiz, em Lisboa. Nem que seja por uns momentos, o teatro “faz-nos esquecer dos nossos problemas e viajar com o que se está a passar em cena”.

Nuno Santos considera esta arte performativa muito importante, tanto pelo seu papel comunitário, “de agregação da própria comunidade”, e também pelo papel político, com mensagens políticas “muito importantes para a comunidade, que normalmente refletem aquilo que sente”.

O membro da Direção do Teatro São Luiz fala que a Expo 98 foi uma espécie de motor de desenvolvimento do teatro, depois de uma época difícil para esta arte performativa, que sofreu um abalo nos anos 60/70 com a introdução do cinema. Portanto, desde 98 até agora “houve uma evolução abismal, seja em termos de oferta cultural, como também de adesão das populações”.

Já o estado do teatro no nosso país “está bom e recomenda-se”, com companhias novas e cheias de desafios.

Apesar de ser uma arte performativa muito antiga, hoje-em-dia, “curiosamente” Nuno Santos revela que quem frequenta mais o Teatro são as gerações mais novas.

“A ideia dos públicos é muito constante na argumentação das pessoas, mas efetivamente os portugueses, de um modo geral, não têm grandes hábitos culturais”, aponta Nuno Santos. Acrescenta que para as pessoas irem ao Teatro é preciso haver realmente algo que as atraia.

Nesse sentido, o membro da Direção do Teatro lisboeta considera que “é obrigação dos Teatros Municipais trazer desafios ao próprio público”. Diz também que um teatro de repertório feito sempre da mesma maneira pode acabar por afastar as pessoas e sobretudo “as gerações mais novas não estão para aí inclinadas”.

Mas para Nuno Santos as obrigações dos Teatros Municipais não ficam por aqui. Também no que se refere a acessibilidades existe a missão de não criar barreiras, por exemplo para a comunidade cega e para a comunidade surda, “para que as pessoas não possam dizer que não vão, porque não há sessões com língua gestual, por exemplo”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Ler mais
Recomendadas

PremiumRui Rio: “Gigante adormecido” acorda a sonhar com um ciclo de vitórias

As últimas sondagens dão margem a Rui Rio para objetivos que pareciam inatingíveis. Depois de silenciar o ruído das guerras internas no PSD, a direção do partido está focada nas eleiçõese promete ser uma alternativa ao Governo.

PremiumHuawei prevê crescer a dois dígitos no negócio de 5G

Grupo chinês diz que até 2022 haverá 500 milhões de utilizadores da tecnologia móvel de quinta geração e pede que a política não interfira na tecnologia.

PremiumPlataforma digital vai aumentar crescimento das exportações

Presidente da agência Aicep, Luís Castro Henriques, tem o apoio da fileira do calçado enquanto setor líder da nova vaga das exportações que já se perfila.
Comentários