OCDE quer um travão aos falsos recibos verdes

”O falso trabalho independente não prejudica apenas os trabalhadores, mas também as empresas que cumprem com a regulamentação”, lê-se no Employment Outlook 2019, que avança com sugestões para beneficiar quem se encontra na “zona cinzenta”.

O Employment Outlook 2019 da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) considera que o falso trabalho independente “precisa de ser travado”. A lógica dos falsos recibos verdes aplica-se a situações em que as condições de trabalho são essencialmente as mesmas dos assalariados, mas “os indivíduos são contratados enquanto trabalhadores independentes para evitar regulamentações, impostos e sindicalização”.

”O falso trabalho independente não prejudica apenas os trabalhadores, mas também as empresas que cumprem com a regulamentação”, lê-se no relatório da OCDE, que será apresentado nesta quinta-feira em Paris. Recomenda-se aos países-membros que clarifiquem e imponham a regulamentação já existente, que facilitem os procedimentos para os trabalhadores contestarem o seu estatuto laboral e que endureçam as multas para os incumpridores.

Apesar disso, o Employment Outlook 2019 admite que alguns trabalhadores se encontram numa “zona cinzenta” entre o trabalho independente e o trabalho por conta de outrem, na medida em que partilham algumas características dos assalariados. “Isso significa que experimentam alguns elementos de dependência e/ou subordinação na relação laboral, tendo menor poder negocial”, ao mesmo tempo que “geralmente não beneficiam do mesmo tipo de proteção legal, direito à negociação coletiva, proteção social e igual tipo de acesso a formação”.

A OCDE pretende que essa “zona cinzenta” seja reduzida ao mínimo, através da clarificação, revisão ou harmonização de regulamentação e diretivas para determinar o estatuto da relação laboral, fazendo diminuir a incerteza para trabalhadores e empregadores, ao mesmo tempo que se reduziria a litigância.

Outra possibilidade para quem tem a cargo definir políticas públicas é fortalecer os direitos e benefícios dos trabalhadores na “zona cinzenta”. Algo que pode passar pelo pagamento de dias de férias ou pelo acesso à contratação coletiva.

Relacionadas

OCDE diz que futuro do trabalho vai depender das políticas seguidas pelos países

Alargamento da proteção social, formação para quem mais dela necessita e aplicação da negociação coletiva a trabalhadores independentes são algumas das recomendações do Employment Outlook 2019 da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico.
Recomendadas

PremiumPortugal atinge recorde de 24 milhões de turistas em 2019

Presidente do Turismo de Portugal acredita que o crescimento verificado no final do primeiro semestre se irá manter na segunda metade do ano.

Tem carro a gasóleo? Vem aí novo aumento na próxima semana

Já a gasolina vai sofrer uma descida pela segunda semana consecutiva.

PremiumIndústria 4.0: Aposta na formação é essencial para futuro da economia

Em janeiro deste ano a CIP publicou um estudo, elaborado pela McKinsey Global Institute e pela Nova School of Business and Economics, que apontou que a robotização e automação de alguns setores da economia poderão extinguir 1,1 milhões de postos de trabalho na próxima década.
Comentários