OCDE reitera sinais de abrandamento na zona euro, Alemanha e EUA

Em relação a Portugal, o indicador compósito avançado da OCDE manteve-se em setembro pelo terceiro mês consecutivo nos 98,9 pontos, mantendo-se assim abaixo dos 100 pontos desde novembro de 2018.

Miguel A. Lopes/Lusa

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) detetou, uma vez mais, sinais de enfraquecimento da conjuntura económica nos próximos seis a nove meses no conjunto da zona euro, particularmente na Alemanha, e nos Estados Unidos.

Os indicadores compósitos avançados de setembro, que assinalam inflexões no ciclo económico com uma antecipação de entre seis a nove meses, mostraram uma queda de seis centésimas para a Alemanha, para os 98,65 pontos, e outras seis centésimas para os Estados Unidos, para os 98,76 pontos.

Em ambos os casos, o nível está significativamente abaixo dos 100 pontos que marcam a média de longo prazo.

No conjunto da zona euro, a descida foi também de seis centésimas, para os 99 pontos.

Em relação a Portugal, o indicador compósito avançado da OCDE manteve-se em setembro pelo terceiro mês consecutivo nos 98,9 pontos, mantendo-se assim abaixo dos 100 pontos desde novembro de 2018.

A OCDE assinalou em comunicado que mantém a sua avaliação de um crescimento estável para França (inalterado nos 99,37 pontos) e para o Canadá (menos seis centésimas, para 98,90 pontos).

Prevê também estabilidade para o Japão (menos três centésimas, para 99,28 pontos) e para Itália (menos cinco centésimas, para 99,08 pontos).

No caso do Reino Unido, a OCDE explicou que considera que o seu crescimento económico vai debilitar-se ainda mais.

No entanto, advertiu que existem “significativas margens de erro devido à persistência da incerteza em torno do Brexit”.

Ler mais

Recomendadas

Bruxelas pede que não sejam concedidos apoios públicos a empresas com sede em paraísos fiscais

O objetivo da recomendação da Comissão Europeia passa por fornecer orientações aos 27 sobre como estabelecer condições para o apoio financeiro, que permitam prevenir a utilização abusiva de fundos públicos e reforçar as salvaguardas contra os abusos fiscais em toda a União Europeia.

PIB da Madeira pode diminuir entre 16% e 20% já este ano, diz Pedro Calado

O governante realçou que a estratégia de futuro vai passar pela construção de uma economia menos dependente do setor da construção e do turismo.

Reino Unido. Recessão de 14% poderá aumentar dívida pública em 400 mil milhões de libras

Numa perspetiva mais pessimista, a recessão poderá variar entre os 12,4% e os 14,3%, enquanto que num cenário mais otimista a queda poderá situar-se nos 10,6% e a dívida em 263 mil milhões de libras.
Comentários