OE2020: PSD quer redução do IVA da eletricidade para 6% a partir de julho

Os social-democratas consideram que a proposta orçamental é “uma fraude política” e que, “ao contrário da propaganda do Governo”, há um agravamento da carga fiscal. Além da redução do IVA na eletricidade, o PSD quer que o OE 2020 garanta a independência de entidades reguladoras e estimule a carreira militar.

Mário Cruz/Lusa

O PSD anunciou esta segunda-feira que quer incluir no Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) uma redução do IVA da eletricidade para 6%, “com efeitos a partir de em 1 de junho”. Os social-democratas consideram que a proposta orçamental é “uma fraude política” e que, “ao contrário da propaganda do Governo”, há um agravamento da carga fiscal.

O grupo parlamentar do PSD prevê que a redução do IVA da eletricidade dos atuais 23% para a taxa mínima terá um impacto orçamental de 125 milhões de euros. O PSD entende que, se o Governo está a negociar com Bruxelas uma possível redução do IVA da eletricidade, é porque há margem para isso e incentiva o Governo a agir “de boa fé” e dizer quanto estima que a modelação que propõe.

“Se fosse o PSD tivesse a responsabilidade de governar o país, apresentaria um orçamento substancialmente diferente. Os ganhos da receita fiscal resultantes do crescimento económico seriam distribuídos de forma tripartida: desagravamento progressivo da carga fiscal, reforço do investimento público e controlo da despesa com consumos intermédios”, afirmou o deputado do PSD Afonso Oliveira, em conferência de imprensa na Assembleia da República.

Num documento onde constam mais de 60 propostas de alteração ao OE2020, o PSD sugere ainda o reforço da independência de entidades reguladoras, “excluindo a sua sujeição a cativações no Ministério das Finanças e a dependência de autorização governamental à contratação”, estimular a carreira militar, de forma a garantir que “nenhum militar recebe o salário mínimo” e reforçar as verbas do Tribunal Constitucional, Polícia Judiciária e PGR.

“O OE2020 corresponde a uma fraude política, pois agrava a carga fiscal, ao contrário da propaganda do Governo. Atingimos a carga fiscal mais alta da história. Mantém o investimento público em mínimos da nossa história e da Europa. Não apresenta uma estratégia de crescimento sustentável que permita a Portugal aumentar a produtividade e recuperar posições perdidas nos últimos anos no seio da zona euro e União Europeia”, defendeu Afonso Oliveira.

O deputado social-democrata considera que o OE2020 é “um mau orçamento” e que, “com uma política diferente”, “é possível cumprir os nossos desafios estruturais e fazer crescer o nosso PIB potencial e, por essa via, melhorar o rendimento, salários e pensões dos portugueses de forma sustentável”.

“Este não é pois o nosso orçamento. É o orçamento do PS e dos partidos da esquerda que o vão viabilizar”, referiu, notando que, ainda assim há aspetos em que é possível a peça orçamental apresentada pelo PS “sem por em causa o valor previsto saldo orçamental”.

As três áreas prioritárias para o PSD são “imprimir verdade e dignidade ao orçamento do Estado, impedindo iniquidades; melhorar as condições de vida, assistência social e o rendimento dos portugueses; e reforçar a coesão territorial e a melhoria ambiental do país”.

Ler mais
Recomendadas

Tem uma PME? Saiba como continuar a trabalhar com o Brexit

O Acordo de Saída prevê um período transitório, até 31 de dezembro de 2020, durante o qual prevalecerão as atuais regras do Mercado Único Europeu e da União Aduaneira.

António Costa diz que aprovação do Orçamento é “meio caminho andado” para a legislatura correr bem 

“Ao contrário do que alguns receavam, não tem uma única medida de retrocesso de qualquer dos avanços alcançados nos últimos quatro anos. Ao contrário do que alguns receavam, não nos faz ficar parados ou a marcar passo”, referiu.

“Acordo do Reino Unido com a UE em 11 meses é pouco provável”

Após a saída do Reino Unido da UE no passado 31 de janeiro, Ricardo Evangelista, analista da ActivTrades em Londres, encarou com pessimismo a possibilidade de um acordo em 11 meses entre britânicos e instituições europeias.
Comentários