OE2019: Mudança para o interior dá durante três anos uma dedução das rendas até 1.000 euros

Benefícios para quem vai para o interior: as rendas vão poder deduzir até 1.000 euros e estudantes recebem mais pelas despesas escolares. O tecto máximo das deduções à colecta em sede de IRS aumenta dos 800 euros para 1.000 euros

As famílias que se mudem para o interior e transfiram a sua residência permanente terão, durante três anos, um aumento na dedução das rendas de casa no IRS – dos habituais 502 euros, a dedução sobe para 1.000 euros, acima dos 600 euros que constava da versão preliminar do OE para 2019.

E os estudantes que frequentem estabelecimentos de ensino situados em territórios do interior terão um aumento nas deduções à colecta: os 30% das despesas de educação que já podem deduzir ao IRS aumentam em 10 pontos percentuais. O tecto máximo aumenta dos 800 euros para 1.000 euros (o que é uma evolução face à versão preliminar do OE, em que era mantido o tecto máximo de 800 euros).

No articulado do OE, a que o Jornal Económico teve acesso, é dito que “no caso de estudantes que frequentem estabelecimentos de ensino situados em território do interior  (…) é aplicável uma majoração de 10 pontos percentuais ao valor suportado a título de despesas de educação e formação a que se refere o n.º 1 do artigo 78.º-D do Código do IRS, sendo o limite global aí estabelecido elevado para 1.000 quando a diferença seja relativa a estas despesas”.

É também anexado um ponto que estipula que “a dedução à coleta do IRS a que se refere a alínea a) do n.º 1 do artigo 78.ºE do Código do IRS tem o limite de 1.000,00 euros durante 3 anos, sendo o primeiro o da celebração do contrato, no caso de os encargos aí previstos resultarem da transferência da residência permanente para um território do interior”.

Estes dois pontos são acrescentados ao artigo 41.º-B (Benefícios fiscais aplicáveis aos territórios do interior ).

Esta é uma medida para tentar dinamizar o interior do país. É também nesse sentido que foi incluído no OE uma majoração de 20% à dedução máxima prevista, para quem investir no interior.

(atualizada)

Ler mais

Relacionadas

OE 2019 aumenta dedução de IRC até 20% dos lucros retidos que sejam reinvestidos no interior

Para as empresas haverá também um reforço do benefício fiscal no sentido de permitir deduzir à coleta do IRC até 20% dos lucros retidos e que sejam reinvestidos em determinados ativos “quando estejam em causa investimentos elegíveis realizados em territórios do interior”. Há ainda benefícios fiscais em sede de IRS para famílias que se mudem para o interior e para estudantes que vão estudar para escolas e universidades do interior.
Recomendadas

Meses de Verão vão “mitigar os prejuízos” dos sector das viagens, mas recuperação vai demorar, alertam agências de viagens

Segundo o vice-presidente da ssociação de Sócios Gerentes das Agências de Viagens e Turismo “o Algarve continuará a ser a região de eleição e os turistas britânicos vão ter muito peso no aumento do turismo no país”.

Passageiros nos voos da TAP entre Portugal e o Reino Unido mais que duplicam

Em comunicado a TAP aponta que “a entrada de Portugal na “green list” de destinos de Inglaterra teve um impacto positivo na procura de voos entre o Reino Unido e Portugal.

Venda das barragens da EDP: Movimento exige a Finanças “arquivamento imediato” de inquérito a funcionário da AT

O Movimento Cultural da Terra de Miranda (MCTM) diz “não haver razões” que justifiquem “processo de inquérito” a membro do Movimento, ex-dirigente da AT, devido a nota jurídica sobre o impacto fiscal da venda das barragens da EDP no Rio Douro à Engie. Exige um pedido de desculpas ao MCTM e dá conta que documento foi elaborado  a pedido do Ministro do Ambiente, numa reunião que realizou com este Movimento, em 2 de setembro de 2020.
Comentários