OE2019: Mudança para o interior dá durante três anos uma dedução das rendas até 1.000 euros

Benefícios para quem vai para o interior: as rendas vão poder deduzir até 1.000 euros e estudantes recebem mais pelas despesas escolares. O tecto máximo das deduções à colecta em sede de IRS aumenta dos 800 euros para 1.000 euros

As famílias que se mudem para o interior e transfiram a sua residência permanente terão, durante três anos, um aumento na dedução das rendas de casa no IRS – dos habituais 502 euros, a dedução sobe para 1.000 euros, acima dos 600 euros que constava da versão preliminar do OE para 2019.

E os estudantes que frequentem estabelecimentos de ensino situados em territórios do interior terão um aumento nas deduções à colecta: os 30% das despesas de educação que já podem deduzir ao IRS aumentam em 10 pontos percentuais. O tecto máximo aumenta dos 800 euros para 1.000 euros (o que é uma evolução face à versão preliminar do OE, em que era mantido o tecto máximo de 800 euros).

No articulado do OE, a que o Jornal Económico teve acesso, é dito que “no caso de estudantes que frequentem estabelecimentos de ensino situados em território do interior  (…) é aplicável uma majoração de 10 pontos percentuais ao valor suportado a título de despesas de educação e formação a que se refere o n.º 1 do artigo 78.º-D do Código do IRS, sendo o limite global aí estabelecido elevado para 1.000 quando a diferença seja relativa a estas despesas”.

É também anexado um ponto que estipula que “a dedução à coleta do IRS a que se refere a alínea a) do n.º 1 do artigo 78.ºE do Código do IRS tem o limite de 1.000,00 euros durante 3 anos, sendo o primeiro o da celebração do contrato, no caso de os encargos aí previstos resultarem da transferência da residência permanente para um território do interior”.

Estes dois pontos são acrescentados ao artigo 41.º-B (Benefícios fiscais aplicáveis aos territórios do interior ).

Esta é uma medida para tentar dinamizar o interior do país. É também nesse sentido que foi incluído no OE uma majoração de 20% à dedução máxima prevista, para quem investir no interior.

(atualizada)

Ler mais
Relacionadas

OE 2019 aumenta dedução de IRC até 20% dos lucros retidos que sejam reinvestidos no interior

Para as empresas haverá também um reforço do benefício fiscal no sentido de permitir deduzir à coleta do IRC até 20% dos lucros retidos e que sejam reinvestidos em determinados ativos “quando estejam em causa investimentos elegíveis realizados em territórios do interior”. Há ainda benefícios fiscais em sede de IRS para famílias que se mudem para o interior e para estudantes que vão estudar para escolas e universidades do interior.
Recomendadas
apoiado por

Cibersegurança é vital para garantir a continuidade dos negócios

O negócio da segurança está em crescimento acelerado. Só em Portugal, segundo Gabriel Coimbra, da IDC, o valor do mercado de segurança deverá crescer cerca de 39% entre 2017 e 2022, passando de um valor de 130 milhões de euros para cerca de 181 milhões. Os serviços de segurança terão um crescimento médio anual de 9%, enquanto o crescimento médio anual (CAGR) de software e o hardware deverá rondar os 7% e 2% respetivamente.

Atividade económica e consumo privado voltam a cair em setembro

O indicador coincidente mensal para a atividade económica recuou para 1,8% face aos 1,9% de agosto, enquanto o indicador coincidente mensal para o consumo privado diminuiu para 1,4% em setembro, contra 1,6% do mês anterior.

Taxas Euribor mantêm-se a três meses e sobem a seis, nove e 12 meses

A Euribor a três meses, em valores negativos desde 21 de abril de 2015, manteve-se hoje em 0,317%, contra o atual mínimo de sempre, de -0,332%, registado pela primeira vez em 10 de abril de 2017.
Comentários