OE2019: Novas progressões da função pública pagas na totalidade nesta legislatura

Ministro das Finanças reuniu com sindicatos da função pública mas não foi entregue ainda nenhuma proposta. Governo cedeu ainda assim à reivindicação dos sindicatos sobre as novas progressões.

O Governo cedeu às reivindicações dos sindicatos e da esquerda e vai alterar o modelo de pagamento do acréscimo salarial das novas progressões das carreiras da função pública no próximo ano.

Em declarações ao Jornal Económico, o líder da Federação dos Sindicato dos trabalhadores da Administração Publica (FESAP), José Abraão, revelou que a fórmula acordada entre o ministro das Finanças e os sindicatos para o Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) prevê o pagamento integral do acréscimo remuneratório no próximo ano e não até 2020 como chegou a ser proposto pelo executivo.

Os efeitos da medida serão, assim, sentidos ainda durante esta legislatura e não para além de 2019. No entanto, não está ainda definido o modelo de faseamento, mas José Abraão antecipa a possibilidade que 75% do acréscimo remuneratório seja pago em maio e os 100% em dezembro.

Este ano, os funcionários públicos que progrediram na carreira em função do descongelamento da carreira inscrito no OE2018 receberam 50% do acréscimo remuneratório, numa modelo que contemplou quatro fases. Ou seja, 25% da valorização salarial foi paga em janeiro, seguida pela segunda tranche de 25% a 1 de setembro, já em em 2019, a 1 de maio os funcionários irão receber 75% e a 1 de Dezembro os 100%.

A medida agora negociada aplica-se a todos os funcionários que reúnam os dez pontos na avaliação de desempenho – o critério para progredir – a 1 de janeiro de 2019.

José Abraão revela, no entanto, que no que concerne aos aumentos salariais não existem ainda avanços nas negociações, estando prevista uma nova reunião entre os sindicatos e o Governo para a próxima semana.

Ler mais
Relacionadas

Redução do IVA na potência contratada só reduz fatura da luz em 9 euros por ano

Bloco de Esquerda alerta: descida do IVA da parte da potência contratada da fatura, por si só, é uma medida que valeria, numa fatura média, 9 euros ao ano. Ou seja, o equivalente a 0,60 cêntimos ou 0,70 cêntimos numa fatura mensal. Bloquistas defendem que não é suficiente para baixar a conta da luz, até porque o custo da eletricidade está a subir muito.

Governo reúne-se amanhã em Conselho de Ministros. OE2019 vai ser debatido

A proposta do Governo de Orçamento do Estado prevê em 2019 um crescimento de 2,2%, um défice de 0,2%, um desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 117% do Produto Interno Bruto.

PremiumOE2019: As medidas com impacto no bolso das famílias e empresas

Governo continua a negociar com a esquerda e os sindicatos as medidas que serão inscritas no próximo Orçamento. Veja aqui as que já são conhecidas.
Recomendadas

Só com o PS é possível manter o equilíbrio na governação – António Costa

De acordo com o primeiro-ministro, nos últimos três anos e meio, os compromissos assumidos “foram cumpridos, porque palavra dada tem sido sempre palavra honrada”.

Paulo Rangel pede voto bem cedo para impedir “legitimação” de Costa

Segundo Rangel, o que António Costa procura nas eleições europeias é tentar “um plebiscito à moda napoleónica ou cesarista” para conseguir a sua “legitimação” a nível nacional já que, disse, até hoje o primeiro-ministro “nunca foi capaz de ganhar uma eleição”.

Eleições podem iniciar alteração do mapa político à esquerda em Portugal – Marisa Matias

Para Marisa Matias, “não importa fazer campanhas” se é para os candidatos se ouvirem uns aos outros e “não ouvir as pessoas e não falar daquilo” que é os leva até elas.
Comentários