OE2021: Rui Rio admite negociar com um Chega “mais moderado”

O social-democrata admite ponderar negociar com o partido de extrema-direita mas apenas se este mudar o seu rumo político. “Se continuar como tem ido, então aqui temos um problema porque não é possível um entendimento com o PSD”, sublinhou.

JOSE COELHO/LUSA

As negociações para o Orçamento do Estado de 2021 arrancaram a 16 de julho, três meses antes da entrega da proposta na Assembleia da República. Na primeira ronda de reuniões à esquerda, António Costa chamou à residência oficial do primeiro-ministro dois dos principais parceiros: o BE e o PCP.

“O orçamento será negociado com o Partido Comunista e com o Bloco de Esquerda”, afirmou Rui Rio, esta quarta-feira, em entrevista à RTP3. “Se o orçamento é negociado com o PCP e o BE, o PSD tem que recuar para a bancada, esperar pelo Orçamento, como é normal, e quando for apresentado, olha para ele e avalia”, finalizou, acrescentando que as probabilidades do PSD aprovar um Orçamento aprovado por uma coligação à esquerda é baixa. “É reduzidíssima”.

Questionado por Vitor Gonçalves sobre se essa avaliação será feita em parceria com o partido Chega para formar uma maioria à direita no Parlamento, o presidente do PSD não nega, mas impõe uma condição:

“Se o Chega evoluir, apesar de estar muito à direita, para uma posição mais moderada, eu penso que as coisas se podem entender. Se continuar numa linha de demagogia, populismo da forma como tem ido, então aqui temos um problema porque não é possível um entendimento com o PSD”, reiterou.

Segundo uma sondagem do Centro de Estudos e Sondagens de Opinião (Cesop) feita pela Universidade Católica para o jornal Público e a RTP, o partido de André Ventura aparece em terceiro lugar juntamente com o Bloco de Esquerda. Os dois partidos, que se sentam nos dois extremos do hemiciclo, surgem 7% das intenções de voto entre os portugueses.

“É claro que o partido está a crescer. Mas não depende do PSD [negociar], depende do Chega”, sublinha Rui Rio.

Ler mais
Relacionadas

OE2021: Bloco de Esquerda dá prioridade às leis laborais e admite negociação difícil

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) admitiu este sábado que as conversações com o Governo para o Orçamento do Estado de 2021, que arrancam na quarta-feira, vão ser difíceis e indicou como prioridade a legislação laboral.

OE2021 deverá ser entregue a 10 de outubro e deputados ganham mais dias para discutir o documento

Governo aprovou alterações à Lei de Enquadramento Orçamental. Propõe a entrega do Orçamento do Estado para 10 de outubro e dá luz verde a um aumento para 50 dias o prazo de votação do documento no Parlamento.

Governo inicia na quarta-feira negociações para OE 2021 com o Bloco de Esquerda e PCP

As negociações à esquerda do Governo serão depois alargadas ao PAN e ao PEV, partidos que também viabilizaram orçamentos do Estado na anterior legislatura.
Recomendadas

Parlamento discute hoje e vota referendo sobre a eutanásia na sexta-feira

O parlamento discute hoje e vota na sexta-feira uma proposta de referendo sobre a eutanásia, que divide direita e esquerda, mas em que há um bloco maioritário para a “chumbar”, do PS, BE, PCP, PAN e PEV.

OE2021: Federação sindical pediu alterações ao BE e ao PS

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP) pediu hoje aos deputados do Bloco de Esquerda e do Partido Socialista que proponham alterações ao Orçamento do Estado (OE) para 2021 que respondam às reivindicações dos funcionários públicos.

Marcelo promulga diploma que reduz debates europeus na AR para dois por semestre

O Presidente da República promulgou hoje o diploma aprovado por PS e PSD que reduz os debates europeus no parlamento para dois por semestre, depois de ter vetado uma primeira versão que previa apenas um por semestre.
Comentários