Oeiras e AKDN enviam equipamento médico a Cabo Verde

A iniciativa solidária para os PALOP e representa um investimento superior a 700 mil euros.

Inforpress

Cabo Verde recebeu esta quinta-feira equipamento médico e de proteção individual da Câmara Municipal de Oeiras e a Rede Aga Khan para o Desenvolvimento (AKDN), de Portugal, para dar resposta à crise sanitária provocada pela covid-19.

Segundo informações avançadas na página oficial da autarquia de Oeiras, consta da lista de doação dois ventiladores, 10 mil máscaras cirúrgicas, 10 mil pares de luvas e 2 mil máscaras reutilizáveis.

Este gesto, insere-se na ação de cooperação entre os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), autarquia de Oeiras e AKDN para apoiar os países a dar resposta à crise sanitária provocada pela covid-19, colmatando as necessidades sentidas no acesso a equipamento de tratamento médico e proteção individual.

A mesma fonte afirma que se trata de uma iniciativa solidária para os PALOP e representa um investimento superior a 700 mil euros. “Esta é a segunda doação, depois de, na semana passada, ter sido enviado equipamento para a Guiné-Bissau”, adianta a fonte.

Parte deste material chegou ontem ao arquipélago africano num voo humanitário.

Recomendadas

Número de pessoas infetadas em Angola sobe para os 462

O secretário de Estado indicou que a percentagem de testes reativos é inferior ao que era previsto, sendo a maior parte pessoas que expressaram imunidade e “poucas pessoas que estão em fase ativa da doença”.

Pandemia está a atingir a velocidade máxima em África

A pandemia está a atingir a velocidade máxima e, por isso, gostaria de fazer um apelo ao continente: temos de ser corajosos, arrojados e deliberados na implementação de medidas se saúde publica de forma generalizada”, disse John Nkengasong, diretor do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana.

Banco Africano aprofunda previsão de recessão para até 3,4% este ano

O banco estima agora uma recessão de 1,7% até 3,4%, dependendo do cenário médio ou mais gravoso, e uma recuperação de entre 2,4% a 3% no próximo ano.
Comentários