OIT estima que pandemia pode levar a uma perda de 25 milhões de empregos em todo o mundo

“Isto já não é apenas uma crise mundial de saúde, é também um grande mercado de trabalho e uma crise económica que está a causar um tremendo impacto nas populações”, disse o diretor-geral da OIT, Guy Ryder. A Organização Internacional do Trabalho apela a mais medidas de apoio à economia e ao emprego para mitigar o impacto negativo do Covid-19.

A pandemia do novo coronavírus (Covid-19), que em Portugal levou o Chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, a decretar o estado de emergência, pode provocar uma perda de 25 milhões de empregos a nível mundial, segundo uma estimativa da Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgada na quarta-feira, 18 de março.

A conclusão está num estudo preliminar da OIT – “Covid-19 and the world of work: impacts and responses” – aos efeitos sociais e económicos da propagação da Covid-19, que no melhor dos cenários calculados aponta que o impacto pode ser significativamente enfraquecido. Nesse cenário, a OIT estima uma perda de 5,3 milhões de empregos.

Mas para esse impacto mais baixo, a OIT diz que deverá ter lugar uma resposta coordenada à escala internacional, “como aconteceu durante a crise financeira mundial de 2008/2009”. Por isso o organismo apela a mais medidas de apoio à economia e ao emprego.

A crise económica e financeira mundial de 2008/2009 aumentou o desemprego global em 22 milhões de postos laborais perdidos, segundo contas da OIT.

“Isto já não é apenas uma crise mundial de saúde, é também um grande mercado de trabalho e uma crise económica que está a causar um tremendo impacto nas populações”, afirmou o diretor-geral da OIT, Guy Ryder.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, infetou mais de 210 mil pessoas, das quais mais de 8.750 morreram.

Portugal regista dois mortos em 642 casos de infeção pelo novo coronavírus, de acordo com o boletim de quarta-feira da Direção-Geral da Saúde referente aos efeitos da pandemia no país.

Ler mais
Recomendadas

“Salvar as empresas e preservar o emprego”. Conheça as prioridades de António Costa Silva para recuperar a economia

O gestor, atualmente presidente da Partex, a quem o Primeiro Ministro pediu o plano de recuperação diz que tem de se evitar que a economia “entre em estado de coma”. António Costa Silva diz que o Estado vai ter de ser interventivo e que o novo modelo económico tem de estar assente no investimento nas infraestruturas (físicas e digitiais) e na reconversão industrial.

Infografia | Nove em cada dez casos novos de Covid-19 foram na região de Lisboa e Vale do Tejo

O mapa mostra, concelho a concelho, a evolução dos casos da doença nas últimas 24 horas em Portugal. O país registou mais 257 novas confirmações de infeção por coronavírus. Segundo a ministra da saúde, a região de Lisboa e Vale do Tejo representou, em média, 85% dos novos casos nos últimos oito dias.

Governo assegura alternativa para moradores sem condições para isolamento

A criação de um plano de realojamento de emergência para as pessoas que vivam em habitações precárias e sobrelotadas foi anunciado pelo Governo na sexta-feira, após o Conselho de Ministros, que aprovou medidas para a terceira fase de desconfinamento no âmbito da covid-19.
Comentários