OMS diz que o mundo não está preparado para enfrentar epidemia do Covid-19

O especialista da Organização Mundial de Saúde diz que “devemos estar prontos para gerir isto [uma epidemia] a uma grande escala, e isso deve ser feito rapidamente”.

O especialista que liderou a equipa da Organização Mundial de Saúde (OMS) que foi enviada à China afirmou que o mundo “simplesmente não está pronto” para enfrentar a epidemia do novo coronavírus.

Bruce Aylward, médico canadiano especialista em emergência, saudou o trabalho desenvolvido por Pequim para conter a doença.

“Devemos estar prontos para gerir isto [uma epidemia] a uma grande escala, e isso deve ser feito rapidamente”, mas o mundo “simplesmente não está pronto”, disse Bruce Aylward em conferência de imprensa em Genebra, referindo-se à possibilidade de se verificar uma pandemia do novo coronavírus, Covid-19.

“Não estamos prontos como deveríamos”, tanto do ponto de vista “psicológico” quanto “material”, afirmou.

A missão da OMS visitou várias cidades e províncias chinesas, incluindo Wuhan, berço da epidemia de coronavírus – batizada Covid-19 – para estudar a sua evolução e seus efeitos.

“A avaliação unânime da equipa é que eles [os chineses] mudaram o curso desta epidemia … É impressionante”, disse Bruce Aylward, um veterano na luta contra a epidemia do Ébola.

“Se tiver Covid-19, quero ser tratado na China”, acrescentou, a título de exemplo, destacando os esforços desse país para equipar hospitais e construir novos.

“A China sabe como manter vivas as pessoas com coronavírus”, disse, exortando o resto da comunidade internacional a estar mais preparado.

A epidemia do novo coronavírus atingiu o seu pico na China entre 23 de janeiro e 02 de fevereiro, diminuindo o número diário de novos casos desde então, segundo a OMS.

Na China, o vírus infetou cerca de 77.000 pessoas, das quais 2.600 morreram.

O balanço provisório da epidemia do coronavírus Covid-19 é de 2.707 mortos e cerca de 80.300 pessoas infetadas, de acordo com dados reportados até hoje, por cerca de 30 países.

Além de 2.665 mortos na China, onde o surto começou no final do ano, há registo de vítimas mortais no Irão, Coreia do Sul, Itália, Japão, Filipinas, França e Taiwan.

A Organização Mundial de Saúde declarou o surto do Covid-19 como uma emergência internacional, e alertou para uma eventual pandemia, após um aumento repentino de casos em Itália, Coreia do Sul e Irão, nos últimos dias.

Em Portugal, já houve 15 casos suspeitos, que resultaram negativos após análises, e está ainda em avaliação um homem, hospitalizado hoje, no Porto.

O único caso conhecido de um português infetado pelo novo vírus é o de um tripulante de um navio de cruzeiros que está hospitalizado no Japão.

Atualizada às 18.19

Ler mais
Relacionadas

Covid-19: presidente da República admite possível “problema europeu” mas sem fecho de fronteiras

O presidente da República defendeu que “tudo o que está a ser feito para preparar a estrutura para um eventual agravamento está a ser feito de forma rápida, mas está a ser bem feito”.

Wall Street contagiada pelo Covid-19. Ganhos de 2020 foram anulados num dia

O petróleo também está a cair. Em Londres, o barril de Brent, referência para a Europa, tomba 4,12%, estando a negociar nos 55,55 dólares. Já o West Texas Intermediate, nos Estados Unidos, desvaloriza 3,97%, para 51,26 dólares.

Covid-19. Bruxelas disponibiliza 232 milhões de euros para luta global contra coronavírus

A Comissão Europeia anunciou ainda um novo pedido de avaliação de risco ao Centro Europeu de Prevenção e Controlo das doenças, que fará ainda parte de uma missão conjunta com a Organização Mundial da Saúde que parte esta terça-feira para Itália.
Recomendadas

Bernie Sanders confirma desistência: “Hoje suspendo a minha campanha. Foi uma decisão dolorosa”

Por ser o único candidato democrata que se mantém na corrida, o senador do Vermont assumiu o seu apoio a Joe Biden, que caracterizou como “um homem decente”.

Covid-19: Coface prevê maior número de insolvências de empresas desde 2009

A empresa especilizada na gestão de crédito prevê ainda recessões em 68 países (contra apenas 11 no ano passado), uma queda do comércio mundial de 4,3% este ano (após uma queda de -0,4% em 2019), e um aumento de 25% das insolvências de empresas a nível mundial (em comparação com a nossa previsão de Janeiro passado, que era de +2%).

“Uma prova real de compromisso”. Pedro Sánchez exige “solidariedade firme” da União Europeia

“A União Europa está a enfrentar uma guerra diferente do que aquelas que temos conseguido evitar nos últimos 70 anos: uma guerra contra um inimigo invisível que está a colocar o futuro da Europa à prova”, escreve Sánchez no ‘The Guardian’.
Comentários