‘One stop advisor’: este conceito está a conquistar o mercado

Para quem pretende investir em imobiliário e pensar apenas na rentabilidade do projeto, a melhor solução é apostar no ‘one stop advisor’.

‘Cada vez mais chegam investidores a Portugal que pretendem investir em imobiliário, mas que não querem perder tempo em burocracias, licenciamentos, questões jurídicas, projetos de arquitetura e  obras. O que desejam é investir e saber que rentabilidade vão ter com o investimento realizado. É por isso que cada vez mais contratam empresas que podem fornecer todos esses serviços e ter um produto ‘chave-na-mão’.

As consultoras imobiliárias já fazem esse papel. Agora, um promotor português que pode dar todo esse apoio e até ser parceiro, é algo que ainda está a dar os primeiros passos. É o caso do JPS Group, que além de promotor, criou recentemente a JPS Real Estate Investments, que tem o objetivo de se distinguir no setor imobiliário pelo seu posicionamento ‘one stop advisor’. O novo projeto da empresa procura focar-se na integração e transversalidade de serviços e na estruturação e prossecução das estratégias imobiliárias mais adequadas a cada caso. Segundo João Sousa, CEO do JPS Group, “é, sem dúvida, uma área de negócio que está por explorar no nosso país”. O responsável, assegura que o grupo vem desta forma preencher uma lacuna que tem vindo a aumentar de dia para dia, como consequência natural deste boom no mercado imobiliário. “Boom esse para o qual as empresas e o próprio mercado não estavam preparados”, admite.

João Sousa explica que com o número crescente de investidores estrangeiros em Portugal, tem-se assistido a uma compra descomedida de imóveis, cujos projetos ficam por desenvolver, muitas vezes por falta de apoio, não só financeiro como técnico. “Um investidor que chegue a Lisboa e adquira um imóvel, vê-se posteriormente obrigado a associar-se a um gabinete de arquitetura, a uma empresa de marketing, a realizar parcerias com mediadoras, e por aí fora , até à fase do ‘chave-na-mão’. E tudo isto tem custos muito antes de o projeto estar apto para ser colocado no mercado”, refere.

O que a JPS Real Estate Investments pretende fazer é ser o parceiro por excelência. Associa-se ao investidor e monta todo o processo. Para tal, coloca à disposição um conjunto extenso de serviços através dos seus departamentos: Financeiro; Real Estate Investments – Research & Consultoria; Estudos Prévios – Arquitetura e Engenharia; Comunicação e Marketing; e Comercial.

Esta necessidade do mercado acontece numa altura em que ainda existe muito para desenvolver, quer no centro de Lisboa, quer na periferia e mesmo noutras zonas do país. Mas, falando especificamente de Lisboa, onde o boom do mercado imobiliário é mais notável, existem muitos prédios que foram adquiridos por investidores estrangeiros e que se encontram parados. “Mais uma vez, acredito que a falta de apoio técnico e mesmo financeiro para desenvolver estes projetos, sobretudo os mais ambiciosos, sejam os principais fatores.

A carência de oferta no mercado continua a inflacionar os valores por metro quadrado e existe uma necessidade crescente de diversidade de produtos, quer no produto em si, quer nos valores e clientes a que se destina”, assegura o responsável.

Recomendadas

Vivenda com piscina ou ‘penthouse’. Quase oito em cada dez pessoas vão ao Idealista sonhar com casas de luxo

Segundo o portal de imobiliário, as mulheres são as que mais procuram por casas de luxo por entretenimento (52% dos inquiridos) em comparação aos homens (47%).

Grupo Ageas Portugal compra dois edifícios de escritórios em Lisboa

Negócio faz parte de uma estratégia que resultará num investimento de 500 milhões de euros que a empresa pretende efetuar no mercado imobiliário nacional até ao final do ano.

De Tavira à Ilha do Pico. “Condé Nast” sugere nove casas em Portugal para alugar este Verão

A reputada publicação internacional “Condé Naste Traveler” fez uma escolha das casas de Verão mais interessantes para alugar em Portugal. De Tavira, no Algarve à Ilha do Pico, nos Açores, dos 100 euros aos 6 mil euros por semana, conheça as propostas para umas férias de sonho em território português.
Comentários