ONU acusa forças de segurança venezuelanas de crimes contra a humanidade

As forças de segurança venezuelanas e grupos armados aliados cometeram violações sistemáticas dos direitos humanos, incluindo assassinatos e tortura, disseram investigadores da ONU.

National Interest

Uma investigação levada a cabo por investigadores da ONU chegou à conclusão que as forças de segurança venezuelanas e milícias armadas sob o seu controlo praticaram crimes contra a humanidade, sendo que existem motivos razoáveis ​​para se acreditar que o presidente Nicolas Maduro e os seus ministros do Interior e da Defesa ordenaram ou contribuíram para esses crimes, a fim de silenciar a oposição.

A missão de investigação da ONU disse que jurisdições nacionais e o Tribunal Penal Internacional (TPI), que abriu uma investigação preliminar à Venezuela em 2018, deveriam considerar avançar com processos-crime contra o Estado.

“A missão encontrou motivos razoáveis ​​para acreditar que as autoridades venezuelanas e as forças de segurança planearam e executaram desde 2014 graves violações dos direitos humanos, algumas das quais – incluindo mortes arbitrárias e o uso sistemático de tortura –constituem crimes contra a humanidade”, disse o líder da missão, a jurista portuguesa Marta Valinas, em comunicado.

Não houve resposta imediata do governo de Nicolas Maduro ao relatório da missão, concluído com base em mais de 270 entrevistas a vítimas, testemunhas, ex-funcionários e advogados e em documentos confidenciais.

“Longe de serem atos isolados, os crimes foram coordenados e praticados de acordo com as políticas do Estado, com o conhecimento ou apoio direto de comandantes e altos funcionários do governo”, disse Valinas. Oficiais do exército, polícia e inteligência (o ex-chefe do Serviço Nacional de Inteligência, general Christopher Figuera) estão envolvidos nestas práticas.

Há vários casos particulares que evidenciam as denúncias de Valinas. Fernando Alban, líder da oposição, que o governo disse ter cometido suicídio em 2018, pode ter sido assassinado. O capitão da Marinha Rafael Acosta terá morrido quando se encontrava sob custódia da agência de inteligência militar DGCIM no ano passado, não tendo resistido à tortura.

A missão, criada pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU para investigar violações desde 2014, não teve acesso ao território da Venezuela, apesar de Jorge Valero, embaixador do regime de Maduro nas Nações Unidas, ter dito esta semana que o seu governo estava a cooperar.

Ler mais
Recomendadas

Oxfam: 1% mais ricos do mundo são responsáveis por mais do dobro das emissões poluentes do que 50% mais pobres

O relatório alertou ainda para o consumo excessivo do carbono por parte dos mais ricos, assumindo que estes estão a esgotar o “orçamento de carbono” mundial, sustentando que este é “finito”.

Reino Unido em fase crítica da pandemia, alerta diretor-geral de Saúde

“A tendência no Reino Unido está a ir em direção contrária e estamos a entrar num ponto crítico da pandemia”, admitiu o diretor-geral de Saúde de Inglaterra, Chris Whitty. “Estamos a analisar os dados para perceber como gerir a propagação do vírus antes que chegue um inverno desafiador”, explicou o médico consultor.

Biden diz que substituição no Supremo antes das eleições é “exercício de poder brutal”

“Se o Presidente Trump insiste em dar um nome, o Senado não deverá agir antes que os americanos possam escolher o seu próximo Presidente e o seu próximo Congresso”, prosseguiu o antigo vice-presidente de Barack Obama, que lidera as sondagens nacionais para a corrida à Casa Branca.
Comentários