ONU teme graves problemas na distribuição de cereais após explosões em Beirute

“Recebi uma curta mensagem de um responsável da FAO em Beirute: ‘Tememos que uma grande parte das reservas de trigo que estavam no porto (de Beirute) tenham sido destruídas pelas explosões’. As reservas estão gravemente danificadas”, disse Dominique Burgeon, responsável pelas situações de emergência da agência da ONU à agência France-Presse, em Paris.

A agência das Nações Unidas para a agricultura e alimentação (FAO) alerta que a destruição dos silos de cereais no porto de Beirute, atingido por explosões na terça-feira, pode provocar problemas na distribuição de farinha.

“Recebi uma curta mensagem de um responsável da FAO em Beirute: ‘Tememos que uma grande parte das reservas de trigo que estavam no porto (de Beirute) tenham sido destruídas pelas explosões’. As reservas estão gravemente danificadas”, disse Dominique Burgeon, responsável pelas situações de emergência da agência da ONU à agência France-Presse, em Paris.

“Receamos que possa ocorrer em breve um problema de disponibilidade de farinha no país (Líbano)”, acrescentou.

O preço dos produtos alimentares está cada vez mais inflacionado no Líbano, país atingido por uma profunda crise económica.

A inflação atingiu os 109% entre setembro de 2019 e maio de 2020, de acordo com o Programa Alimentar Mundial (PAM) das Nações Unidas.

Por outro lado, Maya Terreo, fundadora da Food Blessed, organização não-governamental libanesa que distribui ajuda alimentar às populações necessitadas, afirmou que o porto, seriamente atingido pela explosão, é o “principal ponto de entrada das importações”.

“O Líbano importa 80% da comida que consome”, lamentou Maya Terreo.

Duas fortes explosões sucessivas sacudiram Beirute na terça-feira, causando mais de uma centena de mortos e mais de 4.000 feridos, segundo o último balanço feito pela Cruz Vermelha.

Até 300.000 pessoas terão ficado sem casa devido às explosões, segundo o governador da capital do Líbano, Marwan Abboud.

As violentas explosões deverão ter tido origem em materiais explosivos confiscados e armazenados há vários anos no porto da capital libanesa.

O primeiro-ministro libanês, Hassan Diab, revelou que cerca de 2.750 toneladas de nitrato de amónio estavam armazenadas no depósito do porto de Beirute que explodiu.

Ler mais
Relacionadas

Portugal expressa solidariedade a Beirute e vai apoiar através da UE

“Renovamos a expressão da nossa solidariedade com o povo e o Estado libanês por ocasião desta tragédia que se abateu sobre o país e que causou tantas vítimas e vultuosíssimos estragos materiais”, afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros, em declarações à Lusa.

Destruição em Beirute faz lembrar “cenários de Hiroshima e Nagasaki”, garante primeiro-ministro libanês

O presidente libanês Michel Aoun garantiu que existiam 2.750 toneladas de nitrato de amónio armazenadas no porto de Beirute e prometeu que os responsáveis “vão pagar o preço”.

Primeiro-ministro libanês apela para ajuda de países amigos

“Lanço um apelo urgente a todos os países amigos e aos países irmãos que amam o Líbano a estarem do nosso lado e a ajudarem-nos a curar as nossas feridas profundas”, afirmou o chefe do executivo libanês.
Recomendadas
tik tok

Tik Tok lança guia para combater ‘fake news’ nas presidenciais norte-americanas

A empresa admite que “não é a aplicação ideal para notícias de última hora ou política” mas explica que sabe que “um lar onde os norte-americanos se expressam”. O objetivo é apoiar os utilizadores com informações credíveis sobre questões públicas dos Estados Unidos.

Biden e Trump defrontam-se pela primeira vez. Pandemia, tensão racial e impostos do presidente são os temas quentes

Com o aproximar das eleições presidenciais norte-americana, o primeiro debate realiza-se no meio de uma grande tensão política e social nos EUA, dada a pandemia e os protestos raciais que se seguiram à morte de George Floyd.

Bolsonaro diz que subsídios para os mais pobres na luta contra a pandemia não são eternos

De acordo com a imprensa brasileira, Bolsonaro justifica o aumento da despesa pública com a atribuição de subsídios aos mais carenciados, para mitigar efeitos da pandemia da Covid-19. Contudo, o presidente do Brasil diz que apoios não são para sempre.
Comentários