OPEP vai proceder a novos cortes na produção de petróleo

Os produtores de petróleo liderados pela Arábia Saudita e pela Rússia concordaram em reduzir a produção em 500 mil barris por dia nos últimos três meses do acordo para conter a oferta. A Rússia queria menos cortes, os sauditas ainda mais.

David M. Parrott/Reuters

Os produtores de petróleo liderados pela Arábia Saudita e pela Rússia concordaram em reduzir a produção em 500 mil barris por dia nos últimos três meses do acordo para conter a oferta, mas podem parar as descidas para além de março próximo.

Uma reunião de ministros da Energia da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e os produtores não OPEP liderados pela Rússia recomendou o corte mais profundo da produção, disse o ministro da Energia da Rússia, Alexander Novak.

“Realmente vemos alguns riscos de excesso de oferta no primeiro trimestre devido à menor procura sazonal de produtos refinados e de petróleo”, disse Novak. Detalhes do acordo e como os cortes serão distribuídos entre os produtores ainda precisam de ser ratificados em novas reuniões em Viena

A reunião da OPEP estendeu-se por mais de cinco horas, levando ao cancelamento de uma conferência de imprensa e de um jantar de gala para os delegados a bordo de um barco no Danúbio.

Alguns ministros ali presentes, preocupados com o facto de a economia mundial em desaceleração poder prejudicar a procura, pediram um acordo que duraria até junho ou dezembro de 2020, mas o agregado não quis chegar tão longe.

Os novos cortes “devem garantir um preço do petróleo Brent entre os 60 e os 65 dólares ao longo do período sazonalmente fraco do próximo ano”, disse Gary Ross, fundador da consultora Black Gold Investors citado pela agência Reuters.

Na sua última reunião em julho passado, a OPEP e os parceiros concordaram com uma extensão dos cortes de produção ao longo de nove meses. O acordo representa um compromisso entre os líderer de facto da OPEP, Arábia Saudita e Rússia, os maiores exportadores de petróleo do mundo. Fontes ligadas à associação disseram à Reuters que Moscovo estava relutante em aprofundar os cortes, enquanto Riad queria que estes fossem ainda mais profundos.

A Arábia Saudita precisa de preços mais altos do petróleo para financiar o orçamento e a oferta pública inicial (IPO) da empresa estatal de petróleo Saudi Aramco. Rússia e Arábia Saudita levaram a OPEP  a reduzir voluntariamente a oferta desde 2017 para combater a produção crescente dos campos de xisto dos Estados Unidos, que se tornou o maior produtor mundial de petróleo. A OPEP enfrenta mais um ano de produção crescente dos Estados Unidos, juntamente com outros produtores não pertencentes à OPEP, Brasil e Noruega.

Outra complicação para a organização é que dois membros, Irão e Venezuela, estão sob sanções dos Estados Unidos, que restringiram severamente a sua capacidade de exportação. Irão, Líbia e Venezuela estão isentos de cortar a produção, enquanto os outros 11 membros da OPEP estão sujeitos aos cortes.

O grupo reunirá novamente em março para decidir a política a seguir e gerir a envolvente, quando fatores externos como as eleições presidencial de novembro nos Estados Unidos podem alterar os mercados.

Ler mais

Relacionadas

OPEP admite que a produção de petróleo dos EUA aumentará 1,5 milhões de barris diários em 2020

O relatório de novembro da OPEP reviu em alta a produção petrolífera para 2020 dos países não-OPEP, com um crescimento de 2,17 milhões de barris de petróleo diários, impulsionados sobretudo pelo aumento previsível da produção dos EUA, agora estimado em mais 1,5 milhões de barris de petróleo diários durante o próximo ano.

OPEP prevê domínio do petróleo em 2040 mas cedendo terreno a outras energias

O petróleo continuará a dominar o mercado energético em 2040, mas cedendo terreno a outras fontes de energia ao crescer a um ritmo mais lento, num ambiente incerto devido às políticas protecionistas e às medidas para travar o aquecimento global.
Recomendadas

“Corremos o risco de a zona euro quebrar”, afirma governador do Banco de Portugal

Carlos Costa diz que “nenhuma economia está preparada para uma crise desta natureza” e volta a defender os ‘coronabonds’, em entrevista ao semanário “Expresso”.

Wall Street cai mais de 3% apesar da “bazuca” de 2,2 biliões de dólares

Março de 2020 ficará para a história dos mercados como um dos meses mais loucos de sempre. NYSE fechou em queda num dia em que Congresso dos Estados Unidos entrega um pacote de resgate de 2,2 biliões de dólares.

Bolsas regressam às quedas com setor automóvel a liderar. BCP cai 4% ao adiar dividendos

As desvalorizações mais expressivas dos setores Auto e de Viagens & Lazer espelham a preocupação dos investidores quanto à evolução da pandemia Covid-19, segundo a análise do analista da Mtrader. O BCP cai em bolsa 4% depois de cancelar dividendos e em dia de moratória de créditos.
Comentários