Orbán diz que Hungria pondera ações legais contra a União Europeia

Primeiro-ministro húngaro reafirmou as objecções ao processo votado por Estrasburgo e disse esperar “um debate legal sério” sobre a decisão,

A Hungria estará a analisar a possibilidade de intentar uma ação legal contra a União Europeia (UE), impugnando a validade da votação desta quarta-feira, no Parlamento Europeu (PE), sobre o procedimento disciplinar ao país relativo à violação das normas do Estado de direito.

Em entrevista à rádio estatal húngara esta sexta-feira, o primeiro-ministro, Viktor Orbán, reafirmou as objeções ao processo votado por Estrasburgo e disse esperar “um debate legal sério” sobre a decisão, noticia o site Politico.

O PE recomendou esta quarta-feira ao Conselho a instauração de um procedimento disciplinar à Hungria por violação grave dos valores europeus pelo Governo de Viktor Orbán, em matérias como migrações e Estado de direito. Esta é a primeira vez na história do projeto europeu que o PE elabora e aprova um relatório sobre a aplicação do artigo 7.º do Tratado da União Europeia, que prevê, como sanção mais grave, a suspensão dos direitos de voto do Estado-membro em causa no Conselho da Europa.

Orbán acusou a chanceler alemã, Angela Merkel, de tentar enfraquecer a capacidade do país em defender as suas fronteiras e mostrou-se especialmente crítico da proposta anunciada pelo presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, de reforçar o número de efetivos da guarda transfronteiriça.

“No Parlamento Europeu de hoje, há uma clara maioria pró-migração”, disse o primeiro-ministro, acrescentando que os deputados europeus estão empenhados na alteração da composição da população europeia. O político húngaro acusou ainda a UE de querer “enviar mercenários” para a Hungria, retirando o poder dos “filhos húngaros” em proteger as fronteiras do país.

Relacionadas

Orbán violou Estado de direito da Hungria? Parlamento Europeu debate início de processo disciplinar

Uma comissão de eurodeputados defende que há “um risco manifesto de violação grave dos valores europeus” e ameaça aplicar a sanção máxima prevista no artigo 7.º do Tratado da União Europeia (UE).
Recomendadas

Isabel dos Santos diz que pagamentos do crédito de 125 milhões de euros à CGD estão “em dia

Empresária angolana reagiu à notícia do Correio da Manhã que avançou que o crédito concedido pelo banco, presidido então por Faria de Oliveira, não tinha sido alvo de avaliação da situação financeira de Isabel dos Santos. Segundo um relatório do Banco de Portugal, na análise de risco elaborada pela Caixa “não se encontrava disponível qualquer informação que permitisse avaliar a capacidade financeira da engenheira Isabel dos Santos”, avançou o CM.

Procurador francês diz que estão acionados todos os meios para encontrar suspeito do atentado de Lyon

As autoridades francesas procuram o presumível autor do atentado ocorrido na sexta-feira numa rua em Lyon, que fez 13 feridos. A investigação judicial, aberta inicialmente por tentativa de homicídio, foi transferida para o Ministério Público de Paris, que centraliza os casos de terrorismo em França.

“Marginalização de África no comércio mundial não mudou muito”, diz ex-dirigente da ONU Carlos Lopes

Carlos Lopes, antigo adjunto do secretario-geral das Nações Unidas, defendeu este sábado em Lisboa que a Zona de Livre Comércio Continental (ZLEC) pode contribuir para acelerar a industrialização da região.
Comentários