Orçamento da zona euro gera discussão entre Costa e Centeno no Conselho Europeu

O primeiro orçamento para a zona euro foi debatido na última reunião do Conselho Europeu. Entre líderes, António Costa teve uma “discussão direta” com o seu ministro das Finanças, que enquanto presidente do Eurogrupo trabalhou em sentido contrário às pretensões do primeiro-ministro de Portugal.

O primeiro-ministro, António Costa, e o ministro das Finanças, Mário Centeno, desentenderam-se por causa do orçamento da zona euro na última reunião do Conselho Europeu, que decorreu na sexta-feira, o que gerou uma troca de argumentos em público que gerou perplexidade entre os restantes líderes da União Europeia (UE), dá conta o semanário “Expresso” este sábado, 14 de dezembro.

A “discussão direta” foi confirmada pelo semanário do grupo Impresa, que cita fonte europeia, e terá perdurado por algum tempo.

António Costa queria alterar “o texto das conclusões de forma a retirar a referência aos termos do instrumento orçamental” negociado por Centeno, enquanto presidente do Eurogrupo. Mas Centeno levou a melhor, visto que esses termos ficaram nas conclusões do documento debatido pelo Conselho Europeu.

Na origem da troca de argumentos em plena sala do Conselho Europeu estão os termos do primeiro orçamento da zona euro. Costa defende que o orçamento europeu deveria ser um instrumento de coesão e, por isso, deveria funcionar como um fundo para a coesão. Isto é, apenas os países da zona euro mais desfavorecidos e que respeitassem determinados critérios deveriam ser beneficiados pelo orçamento – “uma forma de ir buscar o dinheiro perdido com eventuais cortes nos fundos estruturais”, explica o “Expresso”.

Contudo, o trabalho desenvolvido pelo ministro das Finanças português na UE, enquanto presidente do Eurogrupo  não correspondeu às pretensões de António Costa. Mário Centeno acabou por trabalhar com as diretrizes que o Conselho Europeu passou ao Eurogrupo.

Recomendadas

André Ventura pede a demissão de Eduardo Cabrita por palavras “gravíssimas”

Para o deputado único do partido recém chegado ao parlamento, as declarações de Eduardo Cabrita foram “gravíssimas e desprovidas de sentido” e recordou que, “num primeiro momento”, o Governo chegou a “negar a veracidade” daquilo que tinha sido referido por André Ventura, ou seja, a aquisição de material de segurança por parte das forças policiais.

Só “por algum ato milagroso” relações serão retomadas entre Livre e Joacine, realça nova direção do partido

“Se por algum ato milagroso houver uma mudança de atitude por parte da deputada Joacine Katar Moreira obviamente que trabalharemos” com a única representante do partido no parlamento, afirmou Pedro Mendonça, em declarações aos jornalistas no final do IX Congresso do Livre.

“Desfaçatez e falta de respeito”. PSD repudia declarações de Eduardo Cabrita sobre equipamento da PSP

Em causa estão declarações do ministro numa entrevista hoje divulgada ao Diário de Notícias e à TSF, na qual Eduardo Cabrita é questionado sobre as notícias que dão conta de agentes policiais “que compram equipamento de proteção do seu próprio bolso”.
Comentários