Orquestra Clássica da Madeira reúne Rui Pinheiro e Ksenia Kogan

A Orquestra Clássica da Madeira dá continuidade à sua temporada neste início de ano.

Neste âmbito, vai apresentar no próximo dia 14, pelas 18 horas, no Teatro Municipal Baltazar Dias, no Funchal, o segundo concerto deste ciclo parcelar “Ciclo Grandes Obras”.

Além do concerto para piano e orquestra de Grieg, propõe a sinfonia “À Pátria”, do compositor português, José Vianna da Motta. Escrita em 1894, foi inspirada nos versos de Luís de Camões e representa o nacionalismo musical ainda em voga no final do séc. XIX,  na Europa.

Este concerto representa também o regresso do maestro Rui Pinheiro à orquestra, onde tem como convidada especial a versátil pianista Ksenia Kogan, que tem pisado mediáticos palcos com reações vibrantes do público.

O diretor artístico da Orquestra Clássica da Madeira, Norberto Gomes, diz, a propósito, que a “música sobe ao palco com beleza, com estética, com energia e com reverência, por músicos apaixonados e dedicados a esta arte maior que é a música. Com nobreza para o nosso público. Uma programação de excelência, para um público que quer a excelência”.

Os bilhetes custam entre 20€ e 5€ e estão disponíveis na bilheteira do Teatro Municipal Baltazar Dias.

Rui Pinheiro e Ksenia Kogan

Rui Pinheiro é Maestro Titular da Orquestra Clássica do Sul desde janeiro de 2015 e tem uma grande carreira internacional.

Após os seus estudos musicais em Portugal (licenciatura em piano na ESMAE e Mestrado em Artes Musicais da Universidade Nova de Lisboa) e na Hungria (pós-graduação em piano e música de câmara na Academia Ferenc Liszt de Budapeste), obteve o Mestrado em Direção de Orquestra no Royal College of Music de Londres.

Estudou com Peter Stark, Robin O’Neill e frequentou masterclasses com Jorma Panula e Colin Metters.

Fez preparação musical para os maestros Sir Roger Norrington, Esa-Pekka Salonen, Vladimir Jurowski, John Wilson, entre outros.

rui-pinheiro_1

 

Em relação à pianista Ksenia Kogan, é reconhecida como uma das mais brilhantes artistas a emergir da Rússia.

As suas performances enquanto solista levou-a a colaborar com as mais prestigiadas orquestras, como a Sinfonia Varsóvia; a Orquestra Nacional da Bélgica; a Russian Symphony Orchestra of Cinematograph; Orquestra Metropolitana de Lisboa, sob a direção de maestros como Walter Weller, Sir Christopher Warren-Green, Julian Kovatchev e Dirk Brosse, que a levou aos EUA, México, China, Japão e por toda a Europa.

Ksenia Kogan nasceu em Moscovo, onde se graduou com alta distinção no lendário Conservatório Tchaikovsky de Moscovo.

Recentemente aceitou uma proposta como atriz principal num filme baseado numa obra de Dostoyevsky (com um papel de pianista e bailarina), juntamente com o ator de Hollywood de origem italiana Franco Nero.

Participa frequentemente em competições internacionais como membro do júri ou presidente da comissão.

Ksenia Kogan é diretora artística da seção de piano e seção vocal do Concurso Internacional de Música “Gianluca Campochiaro”, que celebrou a sua 25.ª edição no Teatro Massimo Bellini em Catânia (Sicília) em dezembro de 2016.

ksenia-kogan_1

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ler mais
Recomendadas

Madeira: PCP propõe gabinete para micro e pequenas empresas acederem a medidas de apoio ao coronavírus

Os comunistas madeirenses alertam que o acesso aos apoios às empresas, que foram decretados pelos governos, requerem um conjunto de actos burocráticos que muita micro e pequenas empresas da região não vão ter condições humanas e técnicas para poder concretiza-las e para aceder aos referidos apoios.

Câmara do Funchal lança guia de boas práticas para comerciantes lidarem com coronavírus

Este guia reúne as práticas a adotar nesta nova fase de modo a que os empresários possam proceder à reabertura dos seus espaços comerciais em plena segurança, explicou Miguel Gouveia, presidente da Câmara Municipal do Funchal.

Coronavírus: Madeira vai manter estratégia de controlo de entrada de passageiros

O presidente do Governo da Madeira disse que a única forma que temos de controlar focos potenciais do vírus na região, e de proteger a vida dos cidadãos passa por se a capacidade de controlarmos as entradas na região. Miguel Albuquerque refere que “não estão a ser violados Direitos, Liberdades e Garantias. Estamos para proteger outros direitos, como o direito à saúde e à vida da restante população, para restringir e salvaguardar desses potenciais focos de infeção”, acrescentou o governante.
Comentários