Os 10 países que melhor sabem atrair e reter talento. Portugal fica longe do topo

A Suíça lidera, Singapura é segunda e os EUA ficam em terceiro. Numa lista onde toda a Escandinávia dá cartas, Portugal figura na 29.ª posição.

Com a execão de Singapura, que é segunda, e dos Estados Unidos, terceiro, o ‘top ten’ da competitividade do talento é dominado por países europeus. Liderado pela Suíça, tem em quarto a Noruega e nos lugares seguintes a Suécia, a Finlândia, a Dinamarca, o Reino Unido, a Holanda e o Luxemburgo. Portugal é 29.º na lista.

O Global Talent Competitiveness Index (GTCI) mede fatores como mercado e regulação, facilidade de relacionamento com outras culturas, sistema de aprendizagem/crescimento profissional, qualidade de vida, competências técnicas e competências de liderança.

A Suíça tem um forte desempenho em todos os critérios, sendo particularmente forte a reter talento. Oferece um ambiente económico ideal em termos de regulação, mercado, negócio e relações laborais.

Fora da Europa, Singapura dá cartas na capacidade para atrair talento do exterior. Os EUA estão em terceiro lugar, com um desempenho particularmente bom no pilar do crescimento, o que se justifica em grande medida pela à sua rede de universidades e pelas oportunidades de desenvolvimento de carreira.

Com um bom sistema de proteção e benefícios sociais e um bom estilo de vida, a Noruega, à semelhança da Suíça, destaca-se igualmente na capacidade para manter talento. A vizinha Suécia funciona igualmente bem em todos os seis pilares, mas também é especialmente boa a reter.

O Global Talent Competitiveness Index é um relatório anual de avaliação comparativa elaborado pela escola de negócios francesa INSEAD em parceria com a multinacional de recursos humanos Adecco e a Tata Communications. Avalia e classifica 119 países e 90 cidades com base na sua capacidade de crescer, atrair e reter o talento.

Ler mais
Relacionadas

Ranking mundial do talento: onde está Lisboa?

É no continente europeu que estão as cinco cidades mais competitivas do mundo a atrair e manter o talento.
Recomendadas

Eleições EUA: Norte-americanos queriam botão de silenciamento a funcionar mais no debate

Os pedidos para silenciamento de microfones ligaram-se mais às intervenções de Donald Trump, com a acusação, vinda de vários participantes virtuais, de o Presidente incumbente esconder informações sobre o novo coronavírus, que provoca a doença covid-19.

Assinado primeiro grande acordo pós-Brexit entre Londres e Tóquio

No ano passado, o comércio entre o Reino Unido e o Japão representou mais de 30 mil milhões de libras (33,2 mil milhões de euros), segundo o Governo britânico.

Eleições EUA: Crianças separadas dos pais na fronteira estão a ser “bem tratadas”, disse Trump

“Não foram coiotes que as trouxeram, foram os pais. Foram separadas dos pais e isto tornou-nos objeto de chacota e viola todas as noções do que somos enquanto nação”, criticou Joe Biden.
Comentários