PremiumOs CTT poderão ser renacionalizados?

O ano de 2020 vai trazer novidades quanto ao serviço postal universal e o futuro dos CTT – Correios de Portugal

O ano de 2020 vai trazer novidades quanto ao serviço postal universal e o futuro dos CTT – Correios de Portugal. A concessão do serviço postal universal à empresa hoje liderada por João Bento, cedida pelo Estado em 1999, vai terminar em 31 de dezembro de 2020 e o momento está a ser aproveitado pelos partidos da esquerda para explorar a hipótese de a operadora postal voltar à esfera do Estado, depois da controversa provatização de 100% da empresa em 2014.

Cinco anos volvidos, o número de trabalhadores com contrato a termo triplicou, cerca de uma centena de Lojas CTT foram encerradas e o custo do selo de uma carta normal agravou 47% (de 0,36 euros para 0,53 euros). Acresce o polémico plano de encerramento ainda da gestão de Fernando Lacerda, que levou a que 33 concelhos ficassem sem uma única estação CTT ativa no início de 2019.

A contestação levou à saída de Lacerda dos CTT e deu argumentos a PCP, BE e ‘Os Verdes’ para exigirem que o Estado “resgate” a empresa dos privados.

O PS, partido do Governo, é mais cauteloso e apesar de criticar o processo de privatização da empresa, levado a cabo pelo governo PSD/CDS-PP liderado por Pedro PassosCoelho, prefere não se comprometer.

O Parlamento já debateu quatro diplomas e duas petições sobre o futuro dos CTT e do serviço postal universal, mas a discussão baixou à comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação.

Para o atual líder dos CTT, é “indiferente a estrutura do capital da empresa”. Facto é que no próximo ano será a primeira vez que decorrerá uma corrida à incumbência do serviço postal universal desde a privatização dos CTT e a liberalização do mercado.

Ou seja, a operadora não terá prioridade e o próximo incumbente será quem apresentar as melhores condições face aos critérios definidos pela tutela. Diálogos?

Ao que o JE apurou , junto de fonte de mercado, só deverão ocorrer na segunda metade de 2020, quer com os CTT quer com outros interessados.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Ler mais
Recomendadas

Lidl investe um milhão de euros em postos de carregamento para elétricos

Desde 2016 que há três postos de carregamento em lojas Lidl, mas este número vai subir para os 41.

CTT reorganizaram canais de apoio ao cliente

Operadora postal criou duas novas linhas de apoio ao cliente, uma para clientes particulares e outra para empresas-clientes, e reformulou a Linha de Apoio ao Cliente Payshop, renomeando-a de Linha de Serviços de Pagamento, destinada para informações sobre payshop e cobrança de portagens.

CTT lançam desafio tecnológico para startups e programadores

Universitários, empreendedores, empresas de grande dimensão e outras organizações são desafiados a criar uma aplicação móvel que seja capaz de ler todas as informações do código que vem nas cartas/encomendas com uma câmara. Em ‘jogo’ está um prémio de 8 mil euros.
Comentários