Pagamentos em atraso do Estado diminuem 271 milhões de euros em agosto

Os pagamentos em atraso ascenderam a 558,8 milhões de euros até agosto, uma descida de 271,5 milhões de euros relativamente ao período homólogo e de 74,4 milhões de euros face ao mês anterior.

joão_leão_tomada_posse_1
Tiago Petinga/Lusa (Pool)

“No final de agosto, os pagamentos em atraso das entidades públicas ascenderam a 558,8 milhões de euros, o que representou uma diminuição de 271,5 milhões de euros relativamente ao período homólogo e um aumento de 74,4 milhões de euros face ao final do mês anterior”, indicou esta sexta-feira a Direção-Geral do Orçamento (DGO) na sua Síntese de Execução Orçamental.

A DGO sublinha que para a evolução homóloga “contribuíram, sobretudo, os Hospitais EPE que registaram uma redução de 299,6 milhões de euros, parcialmente compensada pelo aumento de 33,3 milhões de euros na Administração Regional”.

Analisando a variação mensal, o maior contributo registou-se nos Hospitais EPE, com um aumento de 65,2 milhões de euros.

Os dados da execução orçamental dados a conhecer esta sexta-feira pela DGO mostram que o défice das contas públicas se agravou 6.552 milhões de euros até agosto, totalizando 6.147 milhões de euros, valor inferior ao registado em julho.

De acordo com o Ministério das Finanças, tutelado por João Leão, a execução destes primeiros oito meses de 2020 “evidencia os efeitos da pandemia da Covid-19 na economia e nos serviços públicos, refletindo igualmente o impacto da adoção de medidas de política de mitigação”.

A execução orçamental até julho indicava um agravamento do défice das contas públicas em 7.853 milhões de euros, o que representava um valor total de 8.332 milhões de euros.

Ler mais

Recomendadas

EDP desiste do processo contra o Estado na CESE. Custos superam probabilidade de sucesso

A energética anunciou ainda que vai pedir a Bruxelas a análise da conformidade relativamente ao futuro do mecanismo de financiamento da Tarifa Social. “A EDP não questiona a existência da Tarifa Social em si mesma, com cujo propósito concorda, mas não pode, atendendo à evolução do respectivo regime, conformar-se com os termos de financiamento”.

‘Fintech’ crescem em Portugal apesar da pandemia, revela relatório

De acordo com o “Portugal Fintech Report 2020”, apresentado esta manhã pela Associação Portugal Fintech, “a maior parte das ‘fintechs’ em Portugal situa-se nos verticais de ‘pagamentos e transferências’, ‘insurtech’ e ‘criptomoeda’, estando 43% na fase de ‘seed’” (fase inicial de desenvolvimento).

Portugal Blue quer distribuir 75 milhões de euros em investimentos na economia azul

A Portugal Blue quer mobilizar mais de 75 milhões de euros de capital privado, público e europeu para fomentar o ecossistema da economia azul portuguesa, disponibilizando capital de risco e expansão a mais de 30 empresas, em todos os estágios de desenvolvimento. O programa de investimento cobrirá até 70% da dimensão dos fundos selecionados, com o intuito de potenciar a capacidade crítica da plataforma local da economia azul.
Comentários