PAN pede melhor resposta ambiental no Plano de Recuperação

A líder parlamentar do PAN sustentou que o Plano de Recuperação e Resiliência ainda está “agarrado ao passado” e “não dá oportunidade de ter uma visão mais progressista para uma agenda mais sustentável”.

A deputada do PAN, Inês Sousa Real, comparou a crise sanitária à crise climática, lembrando que é preciso definir “medidas arrojadas” no Plano de Recuperação para combater estas duas crises.

“A par de todas estas crises e necessidade, há uma crise que vivemos que é a crise climática, que é bastante complexa, para a qual é necessário mais medidas arrojadas e de ação concreta”, disse a deputada na Assembleia da República.

A líder parlamentar do PAN sustentou que o Plano de Recuperação e Resiliência ainda está “agarrado ao passado” e “não dá oportunidade de ter uma visão mais progressista para uma agenda mais sustentável”, sendo que para o partido Pessoas-Animais-Natureza, o plano apresentado pelo Governo “continua a assentar num modelo económico completamente obsoleto, numa lógica de economia consumista de recursos, serviços e bens de consumo, criando uma pegada económica insustentável” para o país.

Simultaneamente, a deputada lamentou que o plano “seja marcado por uma certa ingenuidade e falta de ambição”, em concreto ao nível “da crença que a extração de recursos, seja em terra ou mar, é compatível com a sustentabilidade dos ecossistemas, sem que sejam impostas linhas vermelhas claras em matéria ambiental”.

Além de um lado mais ambiental, Inês Sousa Real também criticou que o setor do turismo continue a ser visto como “um pilar estrutural da economia nacional, sem resolver os impostos ambientes e sociais negativos desta atividade”. A líder parlamentar lamentou ainda que o plano não aborde medidas que combatam a pobreza e exclusão social, combatam a corrupção e aumentem a transparência.

Inês Sousa Real evidenciou que “o país e o planeta precisam de ação e de uma visão disruptiva”, defendendo algumas medidas para o combate às alterações climáticas, como a redução de resíduos, o combate ao uso de plástico e a redução das emissões no setor da pecuária.

Ler mais
Relacionadas

Nelson de Souza: “A recuperação apenas pode passar pela promoção do investimento público”

O governante afirma que a recuperação da economia tem que passar pelo Estado, numa altura em que o setor privado está mais fragilidade. Nelson de Souza sublinhou ainda a disponibilidade do Governo para estudar um mecanismo para uma maior transparência da execução dos fundos europeus.

Cecília Meireles defende “descida cirúrgica de alguns impostos”

A centrista critica a criação de uma linha de crédito para financiar PME e profissionais liberais cumprirem as obrigações fiscais, defendendo em alternativa a descida “cirúrgica de alguns impostos”.

Jerónimo de Sousa diz que “grande capital” aguarda verbas de Bruxelas para “encher os bolsos à custa dos trabalhadores”

O secretário-geral do PCP considera que o plano que o Governo apresenta mantém as opções e orientações de política que “fragilizou ao longo dos anos” o país e defende a “valorização dos salários”.

Plano de Recuperação: Costa quer todos unidos para responder ao “triplo desafio” que o país enfrenta

Controlar a pandemia, recuperar Portugal e cuidar do futuro são os três desafios apontados pelo primeiro-ministro. Como resposta quer um Plano de Recuperação com a contribuição de “todas as forças políticas”, mas também dos parceiros sociais e autarquias, até porque não se pode regressar onde estávamos em fevereiro, é preciso “acelerar” o futuro, diz.
Recomendadas

PAN: “Estado de Emergência não significa necessariamente que tenha que existir um confinamento”

Em declarações ao Jornal Económico, Inês Sousa-Real assinala que “o que importa neste momento é percebermos onde é que estão as cadeias de transmissão”, defendendo que proporcionalidade e adequação das medidas consoante as localidades e regiões.

“Não desistimos de nenhuma batalha antes de acabar”. PCP apresenta propostas de alteração ao OE 2021

Entre as medidas apresentadas, no campo da justiça fiscal, João Oliveira anunciou que os comunistas pretendem a “atualização dos escalões IRS, o aumento de mais um escalão neste imposto aumentando a progressividade do mesmo, bem como o aumento dos chamados valores do mínimo de existência e dedução especifica, permitindo cumprir o objetivo de redução da tributação dos rendimentos mais baixos, intermédios”.

Governo vai ter de responder a providência cautelar do Chega contra restrições à circulação sem estado de emergência

Supremo Tribunal Administrativo dá 24 horas ao Conselho de Ministros para se pronunciar sobre alegação de inconstitucionalidade da resolução que proíbe deslocações entre concelhos das 00h00 de sábado até às 06h00 da próxima terça-feira.
Comentários