PremiumPandemia pressiona abstenção nas presidenciais

Marcelo alerta que, se abstenção chegar aos 70%, é “quase inevitável” que haja uma segunda volta. Candidatos multiplicam apelos ao voto.

As eleições presidenciais marcadas para domingo, dia 24, podem vir a registar uma abstenção recorde devido à pandemia de Covid-19 e ao confinamento geral em que se encontra o país. Para combater a abstenção, os candidatos têm apelado aos eleitores para irem votar e têm mantido algumas ações de campanha para darem a conhecer as suas ideias. Porém, o ainda Presidente e recandidato, Marcelo Rebelo de Sousa, admite que, no caso de a abstenção nas eleições atingir os 70%, a ida a uma segunda volta é “quase inevitável”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Sindicatos e Ordem exigem vacinação de todos os médicos

A Ordem dos Médicos, o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e a Federação Nacional dos Médicos exigem a vacinação de todos os clínicos e alertam que menos de metade dos profissionais do Serviço Nacional de Saúde estão vacinados.

Segunda fase das medidas voluntárias da TAP contou com 122 adesões

Assim, recordou a transportadora, “na primeira fase de candidaturas, que decorreu entre 11 de fevereiro e 24 de março, das 690 adesões previamente comunicadas, concretizaram-se 669, com um impacto no redimensionamento de cerca de 630 postos de trabalho”.

Joe Biden prepara-se para anunciar 200 milhões de vacinas administradas nos EUA

A meta inicial, apresentada pelo próprio Joe Biden, era de chegar às 100 milhões de vacinas inoculadas nos primeiros 100 dias no cargo de presidente, porém, duplicou quando as estimativas previram que essa meta seria alcançada antes do previsto.
Comentários