Pandemia provocou queda de 5% da economia alemã em 2020

Apesar da forte quebra devido à pandemia, a economia alemã manteve-se acima da descida recorde de 5,7% ocorrida em 2009.

Ministros Das Finanças E Economia Alemanha

A economia alemã recuou 5,0% em 2020 devido à pandemia da Covid-19, com a performance do motor da economia europeia a superar o pior ano para o país, 2009, quando a economia recuou 5,7%.

Esta valor fica acima das previsões dos analistas já que a forte resposta do Estado alemão à crise ajudou a limitar os danos no país, segundo os dados oficiais revelados pela agência “Reuters” esta quinta-feira, 14 de janeiro.

O governo de Angela Merkel desde março levou a cabo uma série de medidas de resgate e estímulo na maior economia da Europa para ajudar as empresas e consumidores a superar a pandemia da melhor maneira possível. A Reuters previa uma quebra de 5,1% do Produto Interno Bruto (PIB) alemão.

Por sua vez, o consumo privado caiu 6% no ano, enquanto as exportações e importações caíram quase 10% e 8,6%, respetivamente. Os únicos aspetos positivos vieram dos gastos do governo, que aumentaram o consumo do Estado em 3,4%, e da construção, onde o investimento cresceu 1,5%.

O setor público, incluindo os estados federais, municípios e sistemas de segurança social, tiveram um défice orçamental de 158,2 mil milhões de euros, o que representa 4,8% do PIB.

Recomendadas

Pandemia levou a tombo de 14,8% na atividade económica regional entre março e novembro de 2020

Dados do INE, revelados esta sexta-feira, revelaram que no conjunto das regiões portuguesas, a atividade económica tombaram significativamente. Algarve Madeira e Área Metropolitana de Lisbao viram a atividade económica cair mais do que a média nacional. Maiores tombos verificaram-se em atividades de alojamento e atividades artísticas, desportivas e recreativas.

Barómetro ACEGE: Apoios à TAP e empresas afetadas pela pandemia preocupam empresários

Respostas dos empresários e gestores associados do barómetro de janeiro da ACEGE, numa parceria com o Jornal Económico, a Rádio Renascença e a Netsonda, revelam preocupação com efeitos da Covid-19. Mas também sinais de otimismo quanto à evolução das suas empresas e à manutenção dos postos de trabalho.

Exportações de bens da zona euro cresceram para 197 mil milhões de euros em novembro

A zona euro registou um excedente de 25,8 mil milhões de euros em novembro de 2020 no comércio de bens com o resto do mundo. Exportações de bens começam a dar sinais de “um retorno aos níveis pré-Covid”.
Comentários