Pandemia salientou a importância da tecnologia na investigação, dizem diretores do Instituto Gulbenkian e da Champalimaud

Apesar da importância da tecnologia, os investigadores defenderam, numa Web Talk organizada pela JE e a Huawei, o reconhecimento e investimento em investigação fundamental, bem como a capacidade dos institutos de investigação de serem flexíveis.

“Quando pensamos na reviravolta que os nossos institutos tiveram nos últimos meses (…) a tecnologia é, definitivamente, muito importante”, começou por defender Mónica Bettencourt Dias, Diretora do Instituto Gulbenkian da Ciência, numa Web Talk organizada esta sexta-feira pelo Jornal Económico e a Huawei  e que faz  parte do ciclo de conferências online “A Step Into the Future”.

“Nos últimos 30 anos houve um grande investimento nas pessoas da ciência, no conhecimento que produzem e na expertise técnica, mas também na tecnologia e nas nossas infraestruturas”, disse Mónica Bettencourt Dias, que salientando a importância destas no combate à covid, por exemplo, “nos diagnósticos PCR dos vírus, com infraestruturas que nos permitem fazer o diagnóstico mais rápido e robotizado”.

Henrique Veiga-Fernandes, diretor da Champalimaud Research, destacou a criatividade necessária para manter a investigação e “conseguir levar a cabo iniciativas que anteriormente pareceriam impossíveis de fazer remotamente”.

No entanto, a importância agora exibida, na opinião dos directores, de uma investigação robusta, competente e capaz de responder rapidamente parece, por vezes, difícil de valorizar perante a opinião pública ou os decisores políticos.

Apesar da mais valia transmitida para a sociedade parecer “relativamente simples no papel, ao utilizar descobertas fundamentais mais básicas, particularmente ao nível da biomedicina, ao dispor de novas estratégias de diagnóstico ou tratamento da doença X ou Y”, na realidade não o é, visto que o “caminho desde a descoberta básica até às mãos dos clínicos demora muito tempo – 5, 10 anos – mas também exige um investimento muitíssimo significativo que, no essencial, não tem estado nas mãos dos sectores públicos, mas sim dos privados”, afirmou Henrique Veiga-Fernandes.

“Portugal começa agora a ter uma massa crítica em termos do que é o conhecimento adicional inovador do ponto de vista básico e os resultados estão aí, com capital de risco internacional a começar a estar focalizado e a dar atenção às várias instituições biomédicas” do nosso país, concluiu o director da Champalimaud Research.

Mónica Bettencourt Dias reforçou a importância da tecnologia na inovação, lembrando ainda que, apesar da “automatização de processos ser fundamental para o futuro e para a ligação entre a investigação e a medicina, mas por detrás de toda esta tecnologia está, normalmente, a investigação fundamental.”

Ler mais
Relacionadas

SNS e privados mostram sintonia sobre o papel da tecnologia na gestão da Covid-19

A pandemia veio trazer novas oportunidades para a integração da tecnologia na saúde, especialmente na óptica do paciente, que se viu forçado a acelerar a aceitação de formas de acompanhamento médico não-presencial, afirmaram Domingos Pereira e Isabel Luz, numa Web Talk organizada pela JE e a Huawei.

‘Web Talk’ “Saúde”: Assista ao debate promovido pelo JE e Huawei

Retoma esta sexta-feira o ciclo de conferências online promovido pelo Jornal Económico e Huawei sobre que papel vai desempenhar a tecnologia na recuperação económica. Assista na plataforma JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.
Recomendadas

Conferência JE/BDC sobre futuro da aviação: “Sector terá sido o mais devastado por esta crise”

António Moura Portugal, advogado da DLA Piper e diretor executivo da Associação das Companhias Aéreas em Portugal (RENA), considerou, na conferência JE/BDC sobre o futuro da aviação, que este setor foi o mais afetado pela crise económica provocada pela pandemia.
Eugénio Fernandes Euroatlantic

Conferência JE/BDC sobre futuro da aviação. “Não podemos apenas apoiar as empresas de iniciativa pública”

O CEO da euroAtlantic, Eugénio Fernandes, marcou presença na conferência JE/BDC sobre o futuro da aviação e neste espaço de debate, aproveitou para incitar o Governo a não apoiar apenas a TAP num período em que a crise económica todas as companhias de aviação.

Conferência JE/BDC sobre futuro da aviação. “TAP não pode continuar sentada em cima dos slots que controla em Lisboa”

Michael O’Leary, CEO da Ryanair, marcou presença na conferência JE/BDC sobre o futuro da aviação. “Outra coisa que gostaríamos de ver é que a TAP não continuasse sentada em cima dos slots que controla no aeroporto de Lisboa”, realçou o responsável da companhia low-cost.
Comentários