Parlamento chumba nomeação de Carlos Pereira para a ERSE

A comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas votou esta quarta-feira desfavoravelmente a nomeação do deputado socialista Carlos Pereira para a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, disse à Lusa fonte do grupo parlamentar do PCP.

A comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas votou esta quarta-feira desfavoravelmente a nomeação do deputado socialista Carlos Pereira para a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), disse à Lusa fonte do grupo parlamentar do PCP.

Elaborada pelo deputado comunista Bruno Dias, a proposta de parecer desfavorável à nomeação de Carlos Pereira para vogal do Conselho de Administração da ERSE, substituindo no cargo Alexandre Santos, cujo mandato terminou em maio, recebeu os votos a favor de todos os partidos, à exceção do PS.

“Das opiniões e considerações dos partidos expressas durante as audições, pode concluir-se que não reúne consenso a personalidade indicada pelo Governo para o cargo de vogal do Conselho de Administração da ERSE, emitineitado-se assim parecer desfavorável à nomeação”, indica o parecer hoje aprovado.

No documento, salienta-se também que “o perfil da personalidade indigitada deve adequar-se à função a desempenhar, ser-lhe reconhecida a idoneidade, competência técnica, experiência profissional e formação adequada ao exercício da função”.

O parecer da comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas não é vinculativo.

A escolha do executivo, liderado pelo socialista António Costa, de Carlos Pereira para a ERSE foi conhecida em 08 de outubro, tendo sido marcada para dois depois uma audição a Carlos Pereira na comissão de Economia.

Porém, esse encontro acabou por ser adiado para antes ouvir o então ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, no âmbito de requerimentos apresentados pelo PCP e pelo CDS-PP e aprovados por unanimidade.

A audição a Caldeira Cabral aconteceu em 12 de outubro, com o ex-governante a afirmar “não perceber” como é que a escolha de um deputado socialista para vogal do regulador energético pode colocar em causa a sua “independência” no cargo, assegurando que a nomeação não foi “partidária”.

Cinco dias depois, e já após a remodelação governamental, Carlos Pereira foi ouvido na comissão de Economia, na qual garantiu aos deputados que não será “influenciado por opiniões ou indicações” do executivo, rejeitando críticas de falta de isenção.

A escolha de Carlos Pereira foi, inicialmente, feita por Caldeira Cabral, mas acabou por ser depois confirmada pelo novo ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, que detém agora a pasta da Energia e pediu que o processo avançasse com a audição a Carlos Pereira.

A nomeação já teve parecer favorável da Comissão de Recrutamento e Seleção para Administração Pública (Cresap), que considerou o perfil de Carlos Pereira “adequado” às funções.

No parecer a que a Lusa teve acesso, a Cresap aponta que o escolhido “tem experiência profissional superior a 20 anos em cargos de gestão privada e cargos políticos como vereador e deputado na Assembleia da República, onde participou em várias comissões relacionadas com este setor, destacando-se a coordenação da elaboração e discussão de diversos diplomas sobre o setor da energia”.

Segundo a lei-quadro das Entidades Reguladoras, os membros do Conselho de Administração são escolhidos por indicação do membro do Governo responsável pela área, sendo designados por resolução do Conselho de Ministros, tendo em consideração um parecer fundamentado da Assembleia da República, após audição do escolhido.

Relacionadas

Comissão Parlamentar dá parecer desfavorável à nomeação de Carlos Pereira para a ERSE

O Governo escolheu o deputado socialista Carlos Pereira para vogal do Conselho de Administração da ERSE, substituindo no cargo Alexandre Santos, cujo mandato terminou em maio. Hoje a comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas deu parecer desfavorável à nomeação

Negrão questiona Costa sobre nomeação de deputado do PS como administrador da ERSE

Líder da bancada parlamentar do PSD sublinhou que a entidade reguladora deve manter “independência face aos agentes do mercado mas também do poder político”. E perguntou: “O deputado Carlos Pereira assegura essa independência?” Ao que Costa respondeu: “Nenhum cidadão pelo facto de exercer mandato parlamentar fica incapacitado”.
Recomendadas

Eletricidade. Desde 2009 que o valor da dívida tarifária não era tão baixo

A dívida vai afundar mil milhões em 2022, a maior descida registada desde 2008.

“Apoios de nove milhões foram cruciais para minimizar prejuízos”, revela presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto

“Esses apoios foram cruciais para, de alguma forma, minimizar aquilo que poderiam ser os prejuízos dos agricultores na venda das suas uvas”, revela Gilberto Igrejas. “Foram nove milhões de euros, na Região Demarcada do Douro, muito importantes para que o tecido produtivo não tivesse quebras superiores”, assegura o presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), na edição do podcast “Conversas com Norte” que irá para o ar na próxima segunda-feira.

CGTP considera medidas na proposta de OE2022 insuficientes

A intersindical reconhece o mérito do desdobramento dos escalões do IRS, mas considera esta medida “manifestamente insuficiente” e pede mais rasgo no combate ao “modelo de precariedade” que vigora em Portugal.
Comentários