Parlamento chumba regime de preços máximos para gasolina e gasóleo durante a crise da Covid-19

Os comunistas alertavam, no projeto de lei, que os preços da gasolina e do gasóleo não estarem a acompanhar a queda do preço do Crude Oil Brent, que serve de referência para Portugal e pediam ao Governo que tome medidas para acabar com a “lógica absurda” das grandes empresas do setor.

A Assembleia da República chumbou esta quarta-feira a criação de um regime “excecional e temporário” de fixação de preços máximos dos combustíveis líquidos durante a crise provocada pela Covid-19. A iniciativa apresentada pelo PCP foi chumbada com os votos contra do PS, PSD, CDS-PP, Iniciativa Liberal e a abstenção do Chega e PAN.

No projeto de lei apresentado, os comunistas alertavam para o facto de os preços da gasolina e do gasóleo não estarem a acompanhar a queda do preço do Crude Oil Brent, que serve de referência para Portugal, e pediam ao Governo que tome medidas para acabar com a “lógica absurda” das grandes empresas do setor.

“Não é admissível que, em face da grave situação económica e social que o país enfrenta, os preços dos combustíveis não desçam na mesma medida em que tem descido o barril de Brent, aumentando assim os lucros dos grandes grupos económicos do setor, em prejuízo das famílias e de muitas micro, pequenas e médias empresas”, lia-se num projeto de lei apresentado pelo PCP, na Assembleia da República.

O grupo parlamentar do PCP lembra que, desde janeiro, o preço do Brent tem registado “uma redução assinalável”, tendo chegado aos 38,346 USD/barril (34,546 euro/barril) durante o mês de março, mas essa redução não se tem verificado de uma forma tão acentuada nos os preços dos refinados antes de impostos.

O PCP pedia por isso que, enquanto vigorarem as medidas excecionais e temporárias de resposta à pandemia, fosse aplicado um “regime de preços máximos, antes de imposto, para os combustíveis líquidos”, a ser atualizado semanalmente, tendo em conta a evolução do preço do Crude Oil Brent, divulgado pela Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG).

Os comunistas queriam ainda que os preços dos combustíveis destinados a atividades económicas, designadamente agricultura, pescas e transportes, fossem “igualmente ajustados, de forma proporcional”.

Ler mais
Recomendadas

Infografia | Lisboa e Vale do Tejo a ‘vermelho’. Concelhos de Lisboa e Sintra somam 77 infetados nas últimas 24 horas

Números revelados pelo último boletim epidemiológico Direção-Geral de Saúde mostram que a região de Lisboa e Vale do Tejo continua a liderar largamente os dados das novas infeções, sendo responsável por 90% dos infetados diários a nível nacional. Por concelhos, Lisboa e Sintra é onde se regista um maior crescimento do número de infetados por Covid-19.

Ministra admite que a precariedade na Cultura está “mais visível” mas sem solução “em dois meses”

Segundo a ministra, o Governo está “a trabalhar” e assumiu “o compromisso de, ao longo deste ano, resolver as questões laborais, de carreiras contributivas” ou “de descontos” destes profissionais, entre outras matérias.

Lisboa e Vale do Tejo com 90% dos novos casos

Os 382 novos casos reportados estão distribuídos regionalmente da seguinte forma: Lisboa e Vale do Tejo 345, Norte 21, Centro 10, Alentejo três, Algarve dois e Açores um. A Região Autónoma da Madeira não registou novas infeções nas últimas 24 horas.
Comentários