Parlamento Europeu declara emergência climática

Resolução do Parlamento Europeu foi aprovada com 429 votos a favor, 225 contra e 19 abstenções. Instituição europeia espera comprometimento com a redução de emissões em 55% até 2030 para atingir neutralidade climática até 2050.

REUTERS/Vincent Kessler

O Parlamento Europeu declarou esta quinta-feira emergência climática e ambiental, estabelecendo que a União Europeia deve reduzir as emissões líquidas de gases em 55% até 2030 com vista a atingir a neutralidade climática até 250.

A resolução do Parlamento Europeu foi aprovada com 429 votos a favor, 225 contra e 19 abstenções, segundo comunicado divulgado pela institutição.

“É fundamental tomar medidas imediatas e ambiciosas para limitar o aquecimento global a 1,5°C e evitar uma perda maciça de biodiversidade”, dizem os eurodeputados, que apelaram a que a Comissão Europeia, os Estados-Membros e todos os intervenientes a nível mundial agissem sob medidas concretas para combater esta ameaça “antes que seja demasiado tarde”.

Os eurodeputados aprovaram ainda com 430 votos a favor, 190 contra e 34 abstenções uma resolução que suegere aos líderes europeus manifestarem apoio no Conselho Europeu de 12 e 13 de dezembro, o objetivo de longo prazo da UE de alcançar um nível nulo de emissões líquidas de gases com efeito de estufa “o mais rapidamente possível e, o mais tardar, até 2050”.

“É da maior importância a União enviar uma mensagem clara, durante a COP25, de que está pronta para aumentar o seu contributo para o Acordo de Paris”, refere.

O Parlamento Europeu recorda que a Comissão Europeia “propôs o objetivo de emissões líquidas nulas até 2050, em linha com o PE, mas o Conselho Europeu ainda não o apoiou, uma vez que a Polónia, a Hungria e a Chéquia se opõem”.

O Parlamento Europeu espera ainda que a nova Comissão Europeia apresente no Pacto Ecológico Europeu uma “estratégia abrangente e ambiciosa” para atingir a neutralidade carbónica até 2050. Entre as medidas está a redução em 55% as emissões de GEE a nível interno até 2030, mas pede ainda à nova Comissão que “corrija as incoerências das atuais políticas da União em matéria de emergência climática e ambiental, nomeadamente através de uma reforma profunda das suas políticas nos domínios da agricultura, do comércio, dos transportes, da energia e do investimento em infraestruturas”.

Recomendadas

Ryanair ajuda em 250 mil euros projeto de replantação da Serra de Monchique

Os incêndios queimaram mais de 28 mil hectares na Serra de Monchique, em 2018. Até ao momento, o Renature Monchique já plantou 137 mil árvores autóctones e apoiou cerca 41 proprietários e as famílias afetadas pela catástrofe.

Governo aprova restrições para detergentes e cosméticos com microplásticos

A 24 de novembro do ano passado a Assembleia da República aprovou uma proposta, apresentada pelo PAN, de alteração do Orçamento do Estado para este ano, para proibir a comercialização daqueles produtos que contenham microplásticos.

Europeus pagam energia mais cara porque Comissão não proíbe lâmpadas fluorescentes, acusam ambientalistas

Cidadãos e empresas da União Europeia (UE) estão a pagar contas mais elevadas de energia porque a Comissão Europeia mantém no mercado as lâmpadas fluorescentes que devia ter proibido em 2018, acusam organizações ambientalistas internacionais.
Comentários