Parlamento recomenda ao Governo declaração do estado de urgência climática

Foi publicada nesta segunda-feira, 29 de julho, a resolução da Assembleia da República que recomenda ao Executivo de António Costa que assuma o compromisso de promover a máxima proteção de pessoas, economias, espécies e ecossistemas, e de restaurar condições de segurança e justiça climáticas.

O Parlamento recomenda ao Governo declaração do estado de urgência climática e que assuma o compromisso de promover a máxima proteção de pessoas, economias, espécies e ecossistemas, e de restaurar condições de segurança e justiça climática, segundo a  resolução da Assembleia da República publicada em Diário da República nesta segunda-feira, 29 de julho.

Os deputados bloquistas lançam um alerta: “Não há planeta B”. E o PAN pretende que Estado acompanhe através de políticas que fomentem a alteração de comportamentos, aprovando legislação, nomeadamente ao nível fiscal.

Segundo o diploma, a Assembleia da República resolve recomendar ao Governo que “pronuncie uma declaração de estado de «emergência climática”, sinalizando ainda que “inste e coopere com outros Estados-membros, as instituições da União Europeia e Estados terceiros com vista a determinar as melhores práticas para limitar o aquecimento global e manté-lo abaixo de um grau e meio, e a implementar métodos que auxiliem à concretização desse fim”.

O Parlamento pretende também que o Governo articule com os restantes órgãos de soberania para que reconheçam igualmente a emergência climática, assumindo orientações políticas em coerência. E recomenda ainda que “coopere com os parceiros nacionais com o objetivo de definir estratégias e planos relevantes neste âmbito”.

O Parlamento aprovou a 7 de junho, apenas com a oposição sistemática do PS, grande parte dos textos referentes a resoluções apresentadas pelo PAN e Bloco de Esquerda para que o Governo declare no país o estado de urgência climática.

Nos resultados destas votações das resoluções apresentadas pelo PAN e Bloco contaram sempre com sempre o apoio do PEV, tendo o voto do PSD sido em vários momentos decisivo para a aprovação das recomendações ao Governo. Já o PCP e o CDS-PP optaram maioritariamente pela abstenção.

Em relação ao diploma do PAN, apenas foi chumbado o “imperativo de reduzir as emissões de CO2 (equivalentes de carbono) das atuais 6,5 toneladas por pessoa por ano para menos de duas toneladas – o mais rapidamente possível”. O partido liderado por André Silva contou, porém, com a aprovação das recomendações para que “o Estado acompanhe através de políticas que fomentem a alteração de comportamentos, aprovando legislação, fazendo uso da política fiscal, criando infraestruturas, entre outras medidas”.

Segundo o PAN, “a administração pública tem o dever de limitar os impactos do aquecimento global e deve-se comprometer com o objetivo de atingir a neutralidade carbónica o mais rápido possível”.

Já no diploma do Bloco de Esquerda, apenas um dos pontos foi rejeitado e prendia-se com a exigência ao Governo que “adapte rapidamente a economia portuguesa com vista à sua neutralidade carbónica até 2030, desde logo antecipando o fecho das centrais eletroprodutoras a carvão no máximo até 2023”.

Da resolução apresentada pelos bloquistas foram, por sua vez, aprovados pontos para que o Governo se pronuncie pela Declaração do Estado de Urgência Climática e para que “assuma o compromisso com a máxima proteção de pessoas, economias, espécies e ecossistemas, e com a restauração de condições de segurança e justiça climáticas”.

Os deputados bloquistas defendem que, “não obstante a dianteira de Portugal relativamente a outros países, (…) a estratégia e plano de ação terão de ser muito mais exigentes para fazer face à emergência climática que já se faz sentir nos diversos fenómenos de que temos sido vítimas nos últimos anos no país e no mundo. Estes fenómenos agudizam e prejudicam o combate às alterações climáticas, tenderão a aumentar e agudizam a necessidade de medidas mais rápidas e drásticas”. Nesse sentido, alertam: “Não temos muito mais tempo. Não há planeta B”.

Ler mais
Recomendadas

Cheias no Mondego: Ambiente estranha declarações do presidente da CAP sobre cheias no Mondego

Presidente da CAP disse que se não chover mais, vai faltar água no Mondego no próximo verão. Ministério liderado por João Pedro Matos Fernandes reage, dizendo que baixo caudal é intencional para garantir a segurança das pessoas.

Projeto para devolver garrafas de plástico nos supermercados deverá arrancar no primeiro trimestre de 2020

Segundo os promotores, este é um projeto muito importante para preparar a implementação do futuro sistema de depósito de embalagens de bebidas em plástico, vidro, metais ferrosos e alumínio, que deverá suceder ao sistema de incentivo a partir de 1 de janeiro de 2022.

Concentração de gases CO2 deverá atingir novo máximo devido aos incêndios na Austrália

A concentração de dióxido de carbono deverá atingir um pico acima de 417 partes por milhão em maio deste ano, enquanto a média do ano deverá rondar os de 414 ppm, até quase 3 ppm acima da média do ano passado, denuncia o Met Office no Reino Unido.
Comentários