PremiumPartidos unem-se para criminalizar enriquecimento ilícito

Maioria no Parlamento quer criminalizar enriquecimento injustificado. PS e CDS-PP, que travaram medida anteriormente, vão apresentar propostas.

Há 15 anos que a criminalização do enriquecimento injustificado é discutida no Parlamento e, apesar de várias tentativas, nunca virou lei. Mas, em plena agitação provocada pela decisão instrutória da ‘Operação Marquês’, a criação desse novo crime ganhou fôlego, com o Presidente da República a dizer que “já se esperou tempo de mais”. Às três propostas já apresentadas (pelo BE, PCP e Chega) podem vir a juntar-se mais duas, do Governo e do CDS-PP. Com o PSD também disponível para negociar, haverá consenso para avançar.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

Enriquecimento ilícito: o que propõem os partidos?

A criminalização do enriquecimento ilícito tem sido discutida no Parlamento há quinze anos. Foi aprovada duas vezes pelo Parlamento, mas foi sempre chumbada pelo Tribunal Constitucional. Agora, com a agitação provocada pela ‘Operação Marquês’, o tema está novamente na ordem do dia.
Recomendadas

PremiumAlguns socialistas, os líderes da direita e Paulo Portas

Historiadora Maria de Fátima Bonifácio fará um mini ensaio sobre a relação dos portugueses com o Estado ao longo da História, até à ‘era Salazar’.

PremiumBrasil e Índia estão a enfrentar o pior da pandemia

Dois países distantes um do outro, mas que convergem em termos de várias caraterísticas endógenas às suas sociedades, são os epicentros dos piores dias da catástrofe sanitária que assola o mundo. Com cada um deles a tentar desenvencilhar-se das suas próprias incapacidades e a ajuda internacional a não poder chegar a todo o lado, a única estratégia parece ser esperar que o pior passe. E, como não podia deixar de ser, o pior da alma humana já está em campo.

PremiumConstança baixa a guarda na ‘polémica Cravinho’

Manuel Alegre, à frente de outras reações no PS, remeteram a vice-presidente da bancada parlamentar ao silêncio. Mas insiste em que o partido não abandonou o combate à corrupção nos anos de Sócrates.
Comentários