“Passadeiras arco-íris” dividem CDS-PP Lisboa

Proposta de representantes do partido na Assembleia de Freguesia de Arroios motivam críticas do vereador e deputado João Gonçalves Pereira e de outros militantes.

O vereador do CDS-PP na Câmara de Lisboa João Gonçalves Pereira deixou claro nesta terça-feira que não apoia a proposta apresentada por representantes do partido na Assembleia de Freguesia de Arroios para que sejam pintadas várias passadeiras com as cores do arco-íris na Avenida Almirante Reis. “Peço desculpa, mas não subscrevo!”, escreveu o também deputado na sua página de Facebook ao partilhar a notícia do Jornal Económico sobre a iniciativa, justificada com as comemorações do Dia Internacional de Luta contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia que se assinala a 17 de maio.

A posição de João Gonçalves Pereira foi comentada por diversos militantes do CDS-PP. “Pedes desculpa?? Era o que mais faltava, desculpa deve pedir quem subscreveu! Incluir não é isto!”, escreveu Abel Matos Santos, da Tendência Esperança em Movimento do CDS, acrescentando que Assunção Cristas se deve pronunciar sobre o tema.

Igualmente defendida por Abel Matos Santos é a punição de Frederico Sapage Pereira, um dos autores da proposta, que “é um assessor da Junta de Freguesia da Avenidas Novas, nomeado pelo CDS, e com um cargo na coordenação das estruturas autárquicas de Lisboa do CDS”. “Deveria ser imediatamente demitido”, sentenciou.

Abel Matos Santos fizera antes uma primeira reação muito negativa na sua conta de Facebook. “Este é um CDS populista, irresponsável e patético, onde não me revejo! A inclusão não se faz gastando dinheiro e recursos escassos a pintar passadeiras com cores LGBT, o que é ilegal e perigoso. A inclusão faz-se rebaixando passeios para as pessoas com mobilidade reduzida, instalando dispositivos sonoros para cegos e tapando buracos na via pública. Desta forma é que todos, independentemente da sua orientação sexual (algo que pertence à dimensão íntima e pessoal de cada um), se podem sentir mais incluídos”, escreveu o militante centrista.

Recomendadas

Ministra admite que a precariedade na Cultura está “mais visível” mas sem solução “em dois meses”

Segundo a ministra, o Governo está “a trabalhar” e assumiu “o compromisso de, ao longo deste ano, resolver as questões laborais, de carreiras contributivas” ou “de descontos” destes profissionais, entre outras matérias.

Morreu Luís Pimentel, ex-secretário-geral adjunto do PSD

Luís Pedro Pimentel, natural de Alijó, distrito de Vila Real, foi secretário-geral adjunto dos sociais-democratas durante a liderança de Pedro Passos Coelho, quando o secretário-geral era José Matos Rosa, e foi deputado à Assembleia da República, que deixou em 2015.

Ministro do Ambiente congratula-se com abertura das praias mas pede cumprimento das regras

Na cerimónia de abertura da época balnear, que decorreu na Praia da Rocha, em Portimão, João Pedro Matos Fernandes revelou-se orgulhoso “por não haver praias privadas em Portugal”, defendendo que o “acesso ao areal deve ser livre, mas há que garantir as regras impostas este ano”.
Comentários